A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

08/10/2015 15:07

Ser criança em tempos difíceis

Por Tiago Duque (*)

A infância, como se sabe, não é um dado fixo e imutável. Como qualquer experiência histórico-cultural, vale a pena problematiza-la, afinal, o seu entendimento diz respeito à forma como lidamos com o que a envolve: ciência, religião, poder, política, direitos, trabalho e, entre outros aspectos da produção das diferenças, o gênero e a sexualidade.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Há meses se ouve o quanto as crianças estão em perigo diante do que se tem chamado de “ditadura gayzista” e “ideologia de gênero”. Tempos difíceis esses que por traz de “boas intenções” em, supostamente, defender a infância, se conquista poder e vantagens que em nada protegem as nossas crianças; pelo contrário, as expões às práticas intolerantes e preconceituosas que levam a uma sociedade injusta e desigual, na qual já são vítimas e logo-logo terão que enfrentar.

O que se tem apontado como “ditadura gay” nada mais é do que algumas poucas conquistas de direitos igualitários (ou a briga para que estes sejam ampliados) para aqueles/as que não se identificam como heterossexuais. Já a consolidação do ensino daquilo que há tempos as ciências humanas têm como verdade, isto é, que a identificação das pessoas como masculinas e/ou femininas é uma experiência cultural (não está dado pelo o que se convencionou chamar de sexo biológico), é tida como uma “falsa compreensão da realidade” – uma suposta “ideologia”.

Mas, o que realmente interessa àqueles/as que inventaram ou usam esses termos para desqualificar as diferenças humanas? Não sejamos ingênuos/as. Caso o objetivo fosse a proteção das crianças, logo, das famílias, esse tipo de discurso levaria em consideração todas elas. Por que há só um tipo de família, logo, de infância, que merece proteção e legitimidade e outras não? É obvio que o foco de interesse daqueles/as que querem acabar, entre outras coisas, com os direitos de gays (e também de lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais) e temem o ensino sobre gênero nas escolas, é o que estas famílias e crianças representam, e, infelizmente, não elas por elas mesmas.

Nem a santificada heterossexualidade compulsória, atribuída culturalmente aos bebês antes deles nascerem, explica a fixação dos/das conservadores/as na então luta pela valorização da família dita “tradicional” (é sempre bom lembrar que, se formos olhar para a tradição da humanidade, vivemos mais tempo em outros formatos familiares que não esse “pai-mãe-filhos” dito natural). Afinal, não é toda performance heterossexual que esse pessoal defende e apoia.

Para eles/elas, não basta ser heterossexual, é preciso ensinar as crianças a serem como muitos pais e mães que se identificam com esse perfil de liderança. É preciso ser pouco crítico às desigualdades na produção das diferenças sociais, além de ser muito conservador e moralista. Só assim as coisas permanecerão injustas como são, mas altamente lucrativa para essa gente que não respeita o Estado Laico (isto é, a Constituição) e, nem mesmo, os espaços democráticos de representação política.

Não se trata de ter pena das criancinhas que vivem sob uma relação de poder como a que temos construído, onde elas tendem a ser destituídas da possibilidade de identificação e reconhecimento com uma humanidade absolutamente rica em suas diferenças, não só de gênero e sexualidade, mas também, por exemplo, de religião e raça/cor/etnia.

Precisamos desmascarar os jogos de poder que estão envolvidos nos discursos de proteção a apenas um tipo de família, que corresponde a um modelo esperado de ser criança (no qual não cabe a valorização das crianças de famílias indígenas, candomblecistas, homoafetivas, porque, no fundo, estas famílias não servem, necessariamente, aos interesses desses/as moralistas poderosos/as e conservadores/as).

Dito de outro modo, atentamo-nos para o que representa aquelas infâncias vividas em famílias que não correspondem à heterossexualidade santificada, à religião cristã ou a um ideal de miscigenação pacificador em meio aos preconceitos e injustiças religiosas, raciais, étnicas e sociais. Elas representam as diferenças da própria experiência humana, que atrapalha o projeto político daqueles/as fantasiados/as de defensores/as da família e protetores/as de “todas as crianças indefesas”.

(*) Tiago Duque*, doutor em Ciências Sociais pela UNICAMP, professor da UFMS no curso de Bacharelado em Ciências Sociais (Campo Grande) e no Mestrado em Educação do Campus Pantanal (Corumbá). Coordena o “Impróprias – Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Diferenças” (CNPq/UFMS). É autor do livro “Montagens e Desmontagens: desejo, estigma e vergonha entre travestis adolescentes”.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions