A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

09/07/2013 12:52

Somos médicos, não mágicos

Antonio Carlos Lopes

Se alguma instância de poder oferecer hoje um salário de R$ 100 mil para um médico trabalhar, por exemplo, em uma área remota da Amazônia, quase que certamente ela não irá. Talvez, um entre 100 aceite. Mas este não representa o espírito de uma classe que visa, acima de tudo, o apoio ao próximo, a assistência humanística e olha a profissão sob as vistas do amor ao próximo.

Veja Mais
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia

O que quero dizer, em pouquíssimas palavras, é que os médicos brasileiros não somos mercenários, não pautamos nossas ações no mercantilismo, na busca de dinheiro fácil. Nosso foco é outro: é a saúde, a qualidade de vida, é trabalhar contra as mortes evitáveis. Isso porque uma só morte evitável não merece perdão, seja quem for o responsável.

Aí está parte da explicação para o fato de o governo não conseguir levar médicos para as regiões distantes e periferias das grandes cidades.

Contudo, o remédio para esse mal não passa pela importação de médicos formados no exterior sem qualificação comprovada, sem que os mesmos se submetam à revalidação do diploma.

Aliás, a revalidação de diplomas precisa ser aprimorada. Para aprovar a entrada de um profissional de medicina graduado fora, seja ele estrangeiro ou brasileiro, não se pode apenas auferir a técnica. É necessário avaliar o perfil psicológico, a formação ética e moral. Uma série de parâmetros tem de ser analisada porque é alguém de fora do Brasil, não é da terra, não possui nossa cultura, o jeitinho brasileiro em seu lado bom.

Essas diferenças têm forte reflexo na visão humanística, que é a relação médico-paciente no exercício da medicina. Culturalmente, os valores são bem distintos. No que se refere à parte técnica, é preciso uma avaliação obrigatória, como já é com todo mundo.

O centro da questão da interiorização não pode ser distorcido; é a infraestrutura, porque se não há infraestrutura para um brasileiro, não existe também para o profissional de fora. O que ele é? Médico ou mágico?

Não dá para fazer medicina sem ter infraestrutura, sem ter enfermagem, sem ter cirurgião-dentista, sem ter outros profissionais da área da saúde, sem ter assistente social. O dinheiro não compra médico, ressalto mais uma vez.

O médico não é mercadoria para ser comprado por um punhado de reais. Se o fosse, também não veria a cor do dinheiro, pois boa parte das prefeituras, nem honra com os salários que promete e, não raro, nem paga m só centavo. É o chamado calote.

Médico que se vende não e médico. Isso é falta de ética, vai contra o juramento de Hipócrates e os princípios da formação humanística. O dinheiro da medicina tem que ser resultado e não o objetivo do trabalho. Essa é uma parte puramente materialista da medicina, que não condiz com os nossos princípios.

Portanto, só quando nossas autoridades aprenderem o B e A = BA, estaremos próximo da cura. Ela vira por uma política de estado para a saúde, e não por meio de disputas partidárias que mudam nossas políticas a cada alteração de humor.

(*) Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...



A classe médica merece respeito e compreensão por parte dos demais cidadãos. O conflito não envolve questões financeiras, mas revolta em torno da medida eleitoreira tomada pelo Governo. É muito fácil julgar o profissional da saúde, mas ninguém leva em consideração os quase 10 anos de árduos estudos enfrentados pelo caminho, as madrugadas sem dormir e o trabalho realizado muitas vezes com poucos recursos. Apenas a contratação de médicos não basta, é necessário montar uma equipe competente e uma estrutura razoável para prestar um atendimento de qualidade à população. As últimas mudanças anunciadas pelo Governo são vagas e repletas de lacunas, favorecendo a proliferação de farsantes e colocando em risco a própria segurança dos pacientes.
 
Renata Rosa em 09/07/2013 18:40:44
A Será que estes que aqui comentaram leram o artigo? Pois se o fizeram, faltaram as aulas de interpretação de texto. Não somos mercenários, não trabalhamos só por dinheiro e sim para ajudar o próximo. Como poderemos ajudar se não tivermos estrutura e investimentos? Não adianta oferecer 10 mil reais ou 20 ou 100 mil. Invistam esse e todo o recurso desviado, nas unidades de saúde e em uma equipe completa! É como diz o ditado: "quer borboletas em seu jardim, plante flores e elas virão".
 
Rui Carlos Ferreira em 09/07/2013 18:20:04
Após ver em um noticiário matinal, o presidente do sindicato dos médicos aqui do MS reinvidicando salários iniciais de 15 a 20 mil reais para que os médicos recém formados possam ir trabalhar no interior, como que o Sr. Antônio Carlos Lopes acha que a sociedade passa a ver os médicos?
 
Kaio Gleizer em 09/07/2013 16:06:19
Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa para não ter um retorno digno através do um serviço público obrigatório. Isso tem que acabar!
 
Carlos Magno em 09/07/2013 13:39:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions