A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

10/08/2016 15:12

Somos responsáveis pelo futuro

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Estamos sempre formando o futuro e as consequências virão infalivelmente em conformidade com o que está sendo gerado. As esperanças de melhora se perdem diante da falta de responsabilidade para com o planeta. O homem tem de compreender a natureza e agir em conjunto com ela. Contamos mais de sete bilhões de habitantes no mundo, atuando num complexo sistema de produção. É preciso humanizar as pessoas para alcançar a sustentabilidade natural usando a força de vontade, raciocínio e poder de decisão para entender a vida.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

Com angústias e receios estamos recebendo o impacto de atentados cruéis e desumanos que ceifam vidas, semeando o pânico e a intranquilidade. As indagações sobre as causas são muitas e poucas as respostas. Porém, no mundo dos pensamentos, o cérebro funciona como transmissor e receptor, conforme for a sua sintonização. Quando não conduzimos o cérebro, ele acaba nos conduzindo, e aí prevalecerá a força das conexões às quais permitimos o acesso e perdemos o controle sobre nós mesmos sem nos darmos conta disso.

Os inúmeros pensamentos e imagens de ódio e violência diariamente lançados pelas pessoas e exibidos na mídia vão se infiltrando na mente do desajustado que, de repente, se descontrola e se torna um monstro. Muitos indivíduos podem ficar presos em comportamentos, sentimentos e pensamentos que em nada contribuem para o reequilíbrio emocional perante as dificuldades da vida, passando a agir por impulso sem refletir intuitivamente o que está ocorrendo. Com força de vontade e ação, a humanidade poderia e deveria chegar ao lugar que lhe cabe, saindo do vergonhoso atraso em que se encontra.

Estamos enfrentando um sério problema na formação das mentes infantis. Harriet Griffey, no livro A Arte da Concentração, revela que pesquisas constataram que após o advento das TVs nos lares, o potencial da concentração das novas gerações se foi reduzindo. Mesmo pesquisando a fundo o funcionamento dos hemisférios cerebrais sentimos que fica faltando alguma explicação. Em sua obra de esclarecimento Na Luz da Verdade, Abdruschin nos fala dos dois cérebros, o frontal com seus hemisférios e o cerebelo, e a conexão com o "eu interior", que uma vez desconectada, vai desumanizando o homem a ponto deste acabar agindo não mais como ser humano, tornando-se o destrutivo ser desalmado capaz de cometer inimagináveis atrocidades.

Falta coração ao ser humano, isto é, falta espírito, predomina o materialismo com suas limitações, ampliando o egoísmo e o apego ao dinheiro. Os sistemas econômicos e políticos sem coração são produzidos por seres humanos sem coração, que não compreendem o significado da vida, não querem compreender e nem querem que ninguém compreenda. Não há passado, nem futuro, só o agora sombrio gerado pelo imediatismo e falta de responsabilidade para com o futuro. Devido à precarização geral, muitas pessoas ficaram sem tempo para evoluir e sem dinheiro para consumir.

Apesar de todo avanço da tecnologia, ainda há jornadas de trabalho mais longas com salários congelados. Há os que têm dois empregos, com pouco tempo para dormir; não leem, não prestam atenção a eles mesmos. Os desocupados ficam entediados pela falta de propósitos e precisam se cuidar para não cair nas drogas. O tempo livre deveria ser empregado na boa convivência e no ócio criativo que promovem o crescimento pessoal da essência humana.

No mundo materialista sem espiritualidade, as atenções se voltam prioritariamente para o dinheiro. A vida dos seres humanos se transformou num processo rotineiro. Vive-se o presente com muitos afazeres ou com o tormento do vazio sem finalidade. Felizmente ainda restaram algumas possibilidades do livre pensar e manifestar. Aproveitemos o que resta de bom para forjar um mundo melhor.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, articulista , palestrante e escritor

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions