A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

18/10/2014 10:03

Trajetória humana

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A trajetória dos humanos só poderá ser modificada para melhor por meio do esforço para adquirir a compreensão da vida. Desde milênios, o caminho trilhado tem sido de decadência continuada e aumento da miséria. O viver requer um sentido, uma direção enobrecedora. No entanto, a revolução industrial e a consolidação do sistema monetário criaram novos paradigmas de trabalho e consumo, evoluindo para o sistema capitalista de produção, introduzindo, posteriormente, novas tecnologias que usam menos mão de obra, gerando desemprego e aumento da desigualdade econômica.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

No capitalismo, o mais significativo é a possibilidade da liberdade individual. Um sistema de produção e comércio nas mãos de cidadãos sérios e responsáveis é melhor do que nas mãos de monopólios ou do Estado intervencionista, ambos sujeitos aos despotismos e arbitrariedades de indivíduos prepotentes que em sua ânsia de dominar e ganhar só pensam nos seus interesses. O capitalismo dominado pelo “financeirismo” semeia caos, transformando o homem em peça descartável de pouco valor. O mundo precisa de líderes empresariais e governamentais com espírito de estadista, que no presente assumam responsabilidades, buscando progresso real e sustentabilidade.

Com o crescimento da população e a limitação dos recursos naturais, o modo de vida tende a um agravamento das condições gerais, sempre descuidadas em função da prioridade de fazer dinheiro. Há que se rever esse modelo, buscando equilíbrio nas relações humanas. Em uma sociedade evoluída, não deveriam ocorrer tantos conflitos de interesses particulares, pois todos estariam voltados para o progresso real. A sede de poder e riqueza tem gerado o egocentrismo, desequilibrando tudo.

Estamos decaindo num sistema rígido, perdendo o sentimento humano. Séculos se passaram sem que houvesse grandes preocupações com o preparo da população, principalmente nos países que permaneceram na condição de colônias. A liberdade é fundamental. Empresas e governos precisam definir claramente suas funções no objetivo da melhora geral.

A elevação da qualidade humana e de vida não é algo que se realize por decreto. Deve ser uma aspiração de todos e para todos, pobres e ricos, homens públicos, empresários e empregados, artistas, professores e estudantes. Buscar a elevação com consideração humana e seriedade, orientando as novas gerações desde cedo para essa meta, num esforço dedicado e permanente na busca da Luz da Verdade. Só assim o homem, dotado de espírito, poderá se tornar, efetivamente, um ser humano.

Tudo fica difícil porque o homem ainda não sabe o que é. Muitos pensam que é o animal que não deu certo. O homem precisa entender que é espírito que está encarnado para se tornar ser humano, construtor e beneficiador de tudo. Precisa compreender que aqui está não para se acorrentar ao espaço, tempo, matéria, feito de barro vivificado pelo sopro, mas sim para ser um corpo desenvolvido feito de matéria terrestre vivificado pela alma.

Vários ensinamentos da Bíblia perderam seu significado, pois ela foi elaborada muitos anos depois, por pessoas que se basearam na memória de outros, sujeita a esquecimentos, omissões, imaginação. É uma obra espiritual escrita com os costumes e linguagem daquela época. Como alterar a trajetória de uma sociedade habituada ao crescimento sem limites, visando prioritariamente o acúmulo de capital? Como mudar para um modo de vida sustentável, sem revoltas e violência, de forma sábia, disciplinada, pacífica e equilibrada? Só mesmo se seus componentes reconhecerem e agirem em conformidade com as leis naturais da Criação que, respeitadas, permitem ao ser humano a realização de grandes feitos ainda não alcançados devido à sua teimosia e mania de grandeza.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions