A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/11/2011 15:38

Treinamento auxilia o profissional a atuar em equipe

Por David P. Lima Jr.*

O indivíduo precisa acreditar no trabalho em equipe, mas tende a atuar individualmente, a retornar para sua zona de conforto.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Os líderes devem treinar pessoas para atuarem como membros de uma equipe. Porém, frequentemente, esta prática é dispensada, pois muitas vezes a liderança acaba, também, por não dar às pessoas, nas organizações, a responsabilidade de se ajustarem a esses valores. Esse comportamento abre espaço para uma inconsistência e para o ceticismo, abalando a vitalidade nas organizações. Há um fato por trás destas afirmações: o indivíduo precisa acreditar no trabalho em equipe, mas, tende a atuar individualmente, a retornar para sua zona de conforto.

Em uma pesquisa recente, a capacidade de lidar com pessoas, cujo comportamento atrapalha o trabalho em equipe, foi apontada como sendo a última habilidade que um líder deve ter para executar bem seu trabalho. Entretanto, o mais curioso é que no contra fluxo estes mesmos líderes apontaram dificuldades em promover mudanças nos membros cujo comportamento poderia exercer influência mais prontamente. Um dos motivos pelos quais isto acontece é que os líderes querem ser pessoas admiradas, amadas pelas pessoas com as quais trabalham e teme, quase sempre, um confronto motivado pelo trabalho medíocre ou negligente. O paradoxo está no fato de que os líderes seriam mais respeitados se agissem com firmeza e dessem as más notícias.

Tenho trabalhado com desenvolvimento e treinamento de pessoas há alguns anos e uma coisa me chamou a atenção na última década. As empresas, como um todo, estão preocupadas em fornecer o que há de mais novo, a última palavra, as mais novas tendências mundiais em treinamentos. A primeira vista não há nenhum mal nisso, afora o fato de que boa parte destas mesmas pessoas que recebem estas “novidades” são, de certa forma, incompetentes para executarem suas tarefas básicas. É indiscutível a necessidade de treinar os membros de uma equipe. Na verdade é imprescindível. As questões estão em: quem será treinado, no que será treinado, por quem será treinado e como mediremos ou monitoraremos os resultados deste treinamento. Em minha opinião, o treinamento deve ser feito sob medida, deve ser preparado por profissionais que tenham a capacidade de avaliar os problemas reais e as necessidades mais prementes de uma equipe. A formação e a experiência daquele que fornece o treinamento é, indiscutivelmente, uma exigência que não pode deixar de ser feita. Muitos aventureiros surgiram pelas promessas de ganho fácil no mercado de consultorias e treinamentos e com isso o mercado foi inundado por uma leva de “soluções miraculosas”.

Mandar pessoas para treinamentos tornou-se uma espécie de castigo, uma forma de tentar corrigir a direção do trabalho em equipe. Treinamento deve ser encarado com uma forma de chegar lá e não de para onde ir. O indivíduo deve ser treinado como forma de preparação e aprimoramento e não de correção. Se um indivíduo está sendo treinado como forma de corretivo é bem provável que a liderança também deva ser treinada nos mesmos moldes, afinal de contas as pessoas não abandonam as empresas abandonam os líderes, os membros de uma equipe não abandonam sua missão ou seus objetivos e sim quem os devera conduzir a isso.

A história esta cheia de exemplos de líderes que levaram suas equipes ao sucesso, muito embora, todos a sua volta o alertassem pelo fracasso iminente. No primeiro capitulo do livro “A Arte da guerra” Sun Tzu descreve o momento em que as concubinas prediletas do Imperador perdem a cabeça depois de terem recebido uma ordem para executar as tarefas que seriam consideradas básicas para um grupo de soldados e não tê-las cumprido. Analisando este momento chegamos a conclusão de que se uma equipe não sabe exatamente o que deve ser feito e como deve ser feito não farão e, portanto, não estarão prontos para receberem novas metas, objetivos ou, porque não dizer, novos conhecimentos.

Na próxima oportunidade em que for treinar sua equipe lembre-se de verificar se eles estão prontos para receber novos conhecimentos e não deixe de checar a qualidade das empresas e dos profissionais que irão fornecer estes recursos. Treinamento é valorização e não castigo.

(*) David P. Lima Jr. é palestrante, consultor de empresas e diretor da Mega Treinamentos www.megatreinamentos.com.br, graduado em Comunicação Social pela Universidade Braz Cubas, com especialização em Jornalismo, Pós Graduado em Gestão estratégica de Pessoas e em Administração de Negócios pela Universidade Ítalo Brasileira

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions