A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

20/12/2013 09:44

Tristezas e esperanças neste Natal

Por Gregorio Vivanco Lopes (*)

Desde aquele primeiro Natal em que “um Menino nos nasceu, um filho nos foi dado; a soberania repousa sobre seus ombros, e ele se chama: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz” (Is 9,5), o culto ao Divino Infante foi crescendo nos corações e na sociedade, venceu o paganismo, tornou-se público, encheu o mundo de uma serena alegria.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Vieram, porém, as épocas de decadência da humanidade, a fé foi se extinguindo nas almas. Como a chama da lamparina da qual se esvaiu o azeite, hoje a fé bruxuleia apenas, mesmo em grandíssima parte dos que ainda se dizem cristãos. Se assim é o presente, o que esperar para o futuro?

Não vou estender-me sobre esse infausto tema, dou apenas um exemplo. Cito o ex-reitor da USP, Prof. Roberto Leal Lobo e Silva F°, em seu lúcido artigo “A escola hoje e os alunos que não aprendem” (“Folha de S. Paulo”, 23-10-12).

“A educação brasileira está em crise. Além da recorrente violência escolar — a imprensa noticia com frequência casos de alunos armados ou com drogas, além de agressões a professores — pais e filhos parecem achar que a escola não pode contrariar os alunos ou exigir desempenho.

“As próprias famílias não conseguem impor limites aos filhos — às vezes, nem os pais têm limites — algo que se espraia à sala de aula. Neste momento, vale lembrar um livro francês ‘A Escola dos Bárbaros’, de Isabelle Stal e Françoise Thom.

“Elas consideram que a falta de disciplina nas escolas reflete uma sociedade que ‘adota o prazer como o ideal, em todas as direções — para tal sociedade, o objetivo da civilização é se divertir sem limites’.

“As autoras acertam em cheio ao apontar a profusão de práticas extracurriculares, fáceis e sem conteúdo, que servem para matar o tempo do jovem, como um dos grandes problemas da escola de hoje em dia. Nas palavras das autoras: “Sob o pretexto de instaurar na escola a igualdade, o ensino é nivelado por baixo. ‘A ambição da igualdade a todo preço desencoraja o esforço de aprender, tipicamente individual’”.

Mas, perguntará o leitor: há esperança, em que se baseia?

É preciso considerar que, disseminadas por toda a superfície da Terra, há pessoas que gemem e choram no interior de suas almas por causa das calamidades presentes. O Menino Jesus não frustrará seus anseios, pois Ele veio para vencer: “Eis que venho em breve, e a minha recompensa está comigo, para dar a cada um conforme as suas obras” (Ap. 22,12).

(*) Gregório Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions