A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

08/01/2014 13:39

Um país muito caro

Por Ruben Figueiró (*)

Em qualquer roda de amigos um tema parece ser recorrente: como está caro viver no Brasil! Se compararmos com outros países vemos que aqui a roupa, os eletroeletrônicos, os carros, a comida, os serviços, tudo, é mais caro.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Há algum tempo o Brasil está muito caro. Por quê? Por que não conseguimos encontrar saídas para melhorar a qualidade dos nossos serviços públicos, reduzir a cobrança de tributos, incentivar a iniciativa privada e o empreendedorismo, etc.?

Diagnósticos já existem. Só falta colocar em prática as ações preventivas, que por fim, podem garantir a melhoria de vida da nossa população.

Uma explicação para entende porque o País é muito dispendioso para o nosso bolso é o custo da logística de transporte. Ao compararmos a realidade entre Brasil e Estados Unidos, evidenciamos os prejuízos para a economia nacional em decorrência da precariedade de nossa infraestrutura logística e de armazenamento.

No plantio, inexiste desnível no patamar de tecnologia empregada aqui e no agronegócio ianque, assegurando continuado incremento da produtividade e repetidos recordes no volume da produção.

Já no que tange à infraestrutura de transporte, aquela com que contam os produtores norte-americanos está anos-luz à frente da disponível para os brasileiros. Essa vasta diferença implica, em detrimento do Brasil, custos que reduzem os rendimentos dos agricultores e elevam o preço final dos alimentos.

A Macrologística, uma consultoria especializada nesse setor, realizou levantamento que chegou a uma conclusão deveras preocupante: oito por cento dos gastos do brasileiro com alimentos correspondem ao custo do seu translado da fazenda para indústrias, portos e supermercados.

Já nos Estados Unidos, apenas três por cento do valor desembolsado para o pagamento de uma refeição são usados para cobrir o custo com o transporte dos produtos. Em outras palavras, o custo do transporte aqui é quase três vezes superior ao de lá.

Isso reflete diretamente no orçamento familiar. Levantamento feito pelo Estado de São Paulo recentemente detectou que a batata inglesa estava sendo vendida, em Nova Iorque, pelo valor equivalente a quatro reais e sessenta centavos o pacote de dois quilos e meio.

Em São Paulo, a mesma quantidade tinha custo mais de duas vezes e meia superior, chegando a doze reais. Já o pacote de meio quilo de cenouras “baby” custava, em Nova Iorque, o equivalente a três reais e oitenta e nove centavos. A mesma quantidade, no supermercado paulistano, saía por nada menos que onze reais e trinta e oito centavos, quase três vezes mais caro.

O alto preço dos alimentos na mesa do brasileiro é reflexo direto do baixo investimento em logística. Enquanto os Estados Unidos investem o equivalente a quatro por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em transporte, o Brasil investe apenas meio por cento do seu PIB nesse setor.

Outro agravante é que nossos investimentos em transportes estiveram, ao longo de décadas, concentrados quase que exclusivamente em rodovias. Já os Estados Unidos, embora não tenham descuidado de abrir excelentes autoestradas, investiram também volumosos recursos em ferrovias e hidrovias. O que não ocorreu por aqui. E a região mais penalizada, é exatamente a que concentra a maior parte da nossa produção, a região Centro-Oeste.

Felizmente, o Governo acabou por ceder aos ditames do bom senso, adotando, pouco tempo atrás, o programa de concessões que objetiva reduzir essa defasagem. Mesmo sendo de oposição, felicitei o Governo pela realização do leilão de concessão da BR-163.

A atuação do consórcio vencedor certamente melhorará a trafegabilidade para os usuários de nosso Estado. Falta agora ver medidas eficazes para as outras alternativas de transporte e assim, quem sabe, começar a mudar a máxima de que o Brasil é um país caro.

(*) Ruben Figueiró é senador pelo PSDB-MS.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



O senador Figueiró tem sido voz atenta e atuante aos problemas estaduais e nacionais. O custo brasil reflete a falta de planejamento e de objetivos de longo prazo, a cada troca de "comando" político no planalto os que chegam destroem o que foi eventualmente construído ou planejado pelo antecessor. Além do que o governo administra muito mal o que arrecada se esquecendo de que ele, governo, não produz nada, apenas gasta o esforço e o sacrifício de outros setores da economia. Vamos cuidar mais a aplicação eficiente de nosso dinheiro!
 
Mônica Corrêa em 08/01/2014 22:09:37
O problema do Brasil e a corrupção no Congresso! E o Senhor? O que está fazendo quanto a isso? Ah, sim, está escrevendo artigos para conseguir mais votos! Faca o seu trabalho! Daqui a pouco algum bajulador vai aparecer pra defender! O Brasil acordou!
 
Fabiano Bellesia em 08/01/2014 17:55:19
Realmente, o transporte ferroviário (quando bem feito) é mais econômico e eficiente, porém, a logística é apenas um dos fatores do alto custo Brasil, outros motivos existem e são muito mais graves.
 
Guilherme Arakaki em 08/01/2014 16:43:28
Engano culpar o custo de transporte pelo custo Brasil. O problema é outro. Basta comparar a carga tributária (igual ao europeu) e o nivel de serviços do governo. Comparado aos europeus, pagamos todo 2 vezes: primeiro para o governo (em forma de tributos), e em seguida para empresas particulares, para realmente prestar o serviço que um europeu recebe do governo: saude, educação, segurança. E onde em europa não incide tributação sobre tributação, em brasil isso é regra (compare o mecanismo do VAT com o ICMS por exemplo).
E então, o que acontece com tantos tributos? Além do desperdicio por corrupção, os custos do governo em Brasil são excessivos: salarios do legislativo e judiciario são bem maiores do que em europa. Procura quanto custa um senador (ou juiz) aqui e quanto custa em Alemanha!
 
Marcos da Silva em 08/01/2014 14:56:20
Sr Senador, pra nós V. Exa. está escrevendo isto, o que está sendo discutido no Senado a respeito de todos estes apontamentos?:
 
GILBERTO GLOOR em 08/01/2014 14:30:02
Na realidade o Brasileiro paga muito caro pela sua (má) administração, basta comparar salários do legislativo e judiciário de outros paises, pag,mos pra manter as benesses de uma categoria privilegiada como no tempo dos faraós. RHALA LÁ RHA LA
 
juraci montanha em 08/01/2014 14:03:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions