A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

11/08/2016 15:15

Um viva ao Curupira, um viva às florestas

Por Michel Klaime Filho (*)

No último 17 de julho comemorou-se o Dia de Proteção às Florestas. Uma data escolhida por aproximação, em homenagem ao Curupira, uma das mais antigas personagens do folclore brasileiro.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Curupira é defensor dos animais e das florestas, representado pela imagem de um menino esperto e ágil, de corpo esverdeado, cabelos de fogo e os pés virados ao contrário. Reza a lenda que ele faz de tudo um pouco para lutar contra a sanha dos destruidores da natureza.

Cheio de artimanhas, o Curupira engana os adversários imitando sons de animais e ruídos da floresta. Confunde seus perseguidores criando pistas falsas (talvez por isso tenha os pés virados para trás). E briga muito em favor do Meio Ambiente.

Mas como tudo o que vem da tradição, o Curupira corre o risco de cair em desuso, assim como o respeito à natureza. Estão sendo substituídos por mitos estrangeiros modernos e a sanha consumista que tudo destrói. É o poder da cultura de massas.

Não precisaria ser assim. Aliás, não precisa. O nosso cotidiano não deveria afastar o ser humano de suas necessidades naturais. A comida caseira, saudável, não precisa ser substituída por comidas do tipo fast food. Os costumes tradicionais não precisam desaparecer por causa de modismos.

Temos que trabalhar muito para defender a natureza. Na BR-163/MS, por exemplo, estamos empreendendo obras de vulto que permitirão aumentar a capacidade de tráfego com a duplicação de mais de 800 quilômetros da rodovia.

Obras desse porte pressupõem supressão vegetal. Mas isso só está sendo feito com cuidado e critérios rígidos, conforme determinam as leis e os órgãos ambientais. Toda e qualquer árvore nativa será substituída por muitas outras a serem replantadas.

Neste momento, estamos promovendo o replantio compensatório de 241 mil mudas de árvores originárias do Cerrado e da Mata Atlântica em parques estaduais de MS.

Além disso, incentivamos a criação de viveiros de mudas de espécies nativas para utilização futura. E estamos recolhendo germoplasma das espécies encontradas para preservação e estudos científicos por entidades científicas sul-mato-grossenses.

Mais ainda, trabalhamos no resgate e/ou no afugentamento da fauna atingida pelas frentes de obras, de maneira a minimizar os impactos. Em paralelo, nossos colaboradores tem sido capacitados para lidar com a fauna regional.

Logo serão empreendidos por nós projetos de preservação e estudos de sítios arqueológicos, além de ações voltadas para as comunidades indígenas e comunidades quilombola.

Esses são alguns exemplos de que estamos transformando a BR-163/MS em Rodovia da Vida, mas isso não está acontecendo em detrimento da natureza e do ser humano.

O pacote de programas e projetos definidos pelo EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental-Relatório de Impacto do Meio Ambiente), garante que os impactos sejam os mínimos possíveis, compensados na maior parte dos casos.

É possível modernizar sem desrespeitar a tradição e o meio ambiente.

Afinal, precisamos continuar trabalhando para garantir o desenvolvimento e o progresso, mas sem perder de vista o respeito às leis ambientais e ao bom senso. Destruir florestas significa destruir o futuro.

Por isso, damos um viva ao Curupira e às florestas, fazendo votos para que o respeito à natureza e à sua riqueza não se percam jamais. Onde a natureza já sofreu fortes impactos, vamos trabalhar em conjunto para fazê-la renascer, como renascendo está a BR-163/MS.

(*) Michel Klaime Filho é gestor de Meio Ambiente da CCR MSVia, formado em Engenharia Civil com especialização em Gestão Ambiental, Engenharia de Segurança do Trabalho, Produção e Qualidade.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions