A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

16/01/2012 10:36

Uma bela Seresta na sexta-feira 13

Por Raimundo Edmário Guimarães Galvão*

Quero registrar uma cena belíssima na Noite da Seresta que ocorreu no dia 13 de Janeiro desse ano, aqui em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, no centro-oeste do Brasil.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

Era uma sexta-feira chuvosa e durante o dia ficamos pensando que cancelariam o evento, porque a chuva não dava trégua e a meteorologia previa mais água pra aquela noite. A banda que iria se apresentar era “Os Pholhas”, um conjunto musical da década de 1970 que ficou muito famoso e que acalentou nossos romances (pra quem tem mais de 40 e tantos com eu) naquela época com baladas melosamente românticas, e em inglês, como a famosa My Mistake. Coincidentemente, no ano passado o show deles foi cancelado pelo mesmo motivo: o mal tempo. Mas à revelia do tempo, não foi anulada sua apresentação, nessa noite. Os organizadores não queriam isso, ninguém, nem muito menos o público ali presente.

Pra quem não sabe, todos os meses, na segunda sexta-feira, é realizada pela Fundação de Cultura do município, a Noite da Seresta em parceria com a Associação dos seresteiros presidida pelo cantor, advogado e outras cositas, Sílvio Lobo. Eu sou responsável pela banda que acompanha os seresteiros locais que fazem a abertura da atração de fora, na maioria das vezes, são artistas fora de catálogo, mas que ainda são uma brasa, mora? O importante dizer, que esse evento até certo ponto é muito nosso, ele não existe em Cuiabá, Teresina, Recife e nem em São Paulo e mesmo com todas as dificuldades já tem uma sobrevida de mais de oito anos de existência.

Desde as dezoito horas, daquela noite, havia uma garoazinha sobre a cidade morena, mas nada que atrapalhasse. Desde o começo da noite também já havia um público desejoso por música e animados na Praça do Rádio Clube, onde ocorre a Noite da Seresta. O clima estava delicioso. O carrinho de pipoca fumegava com cheirinho bom. Na esquia tinha o vendedor de cerveja no isopor, geladinha! E o dançarino vendedor de amendoim torrado circulava pra lá e pra cá com seu fogareiro. Logo daqui a pouco a praça estava cheia, não lotada, como nas noites de tempo bom, mas aconchegante. As pessoas presentes, pude notar, estavam impacientes pra que começasse logo, pediam música, gritavam e aplaudiam pra apressar o início da seresta. Devido a isso, houve poucas formalidades. Os apresentadores Sílvio e Marlene deram o sinal e começamos com a nossa música de abertura: “abram alas pra minha folia, já está chegando a hora!”. Depois que nós, artistas locais, terminamos nosso espetáculo, seria anunciado Os Pholhas, todavia exatamente nesse momento cai uma chuva forte. O pessoal do som fazia os últimos reajustes, enquanto os Os Pholhas já estava a postos, no palco pra entrar em cena.

Nesse momento uma imgem que muito me emocionou, eu olho, de cima do palco para o público e a praça está tomada de guarda-chuvas. Centenas de guarda-chuvas que eu até então nunca havia visto. Uma imensa lona de guarda-chuva. Uma cena lindíssima como que dizendo o show não pode parar, nunca! Não sei, mas penso que isso deu o combustível para o “Os Pholhas” fazer uma apresentação impecável de boa! E isso fica como uma deixa para os nossos promotores de eventos, Campo Grande, não é mais uma criança, cresceu, é uma moça viçosa. A cidade está ávida por eventos culturais e o mal tempo e a chuva não são mais desculpas pra se cancelar os shows, como nos tempos de outrora e uma anunciada sexta-feira treze pode ser adoravelmente sortuda.

(*) Raimundo Edmário Guimarães Galvão é músico, jornalista e mora em Campo Grande.

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



Só acho que todos deveriam ter o mesmo espaço, os eleitores tomando uma ducha, os politicos e convidados em camarote. ESSE ANO TEM ELEIÇÃO, quem vota estava recebendo chuva no lombo,
Parabens pelo evento
 
Rubens Alvarenga em 17/01/2012 01:24:21
Concordo com Raimundo temos que crescer não é qualquer chuvinha que mais nos afugentar nós cinquentões que já passamos poucas e boas.
 
Meire Pereira de Souza em 16/01/2012 01:44:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions