A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

18/03/2014 08:56

Uma experiência brasileira para a agricultura sustentável

Por Cleber Oliveira Soares (*)

O setor agropecuário em todo o mundo tem como missão primordialproduzir alimentos, fibras e energia de forma sustentável, sem impactar os biomas, primando pela conservação dos recursos biológicose naturais. O aumento da produtividade é uma das alternativas para o incremento do suprimento mundial, especialmente de alimentos, sem a necessidade de abertura e uso de novas áreas. Todavia, para melhorar o desempenho dos sistemas de produção e incrementar a produtividade, faz-se necessário o desenvolvimento sistemático e dinâmico de soluções tecnológicas quesejamtransferidas e absorvidas pelos diversos elos e atores das cadeias produtivas do agronegócio.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Com este enfoque a Embrapa e instituições parceiras no Brasil e no exterior lançaram na última sexta-feira (14 de março de 2014) na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, EUA, uma obra científica coletiva sobre os sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta (iLPF).

Os conceitos, os conhecimentos, as práticas, os processos e as tecnologias apresentados estão inseridos nesse contexto, pois traz para produtores, técnicos, acadêmicos, outros atores e formuladores de políticas públicas, o que há de mais moderno em tecnologias para sistemas de integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Tema este cujo Brasil é vanguardista e líder global.

Por si só, esses sistemas já são inovadores no setor agropecuário brasileiro. Uma realidade que, duas décadas atrás, pensava-se ser muito difícil, para não dizer impossível. Hoje, é um dos pilares não só para o incremento de produtividade, pelo efeito poupa/otimiza-terra, de agregação de valor aos produtos, mas sobretudo para mitigar a emissão de gases de efeito estufa. É, sem dúvida, uma das mais robustas tecnologias para o futuro sustentável da agropecuária nos trópicos.

Na obra científica estão descritos e discutidos os aspectos mais relevantes dos sistemas iLPFs.Iniciando com uma abordagem ampla da sustentabilidade na agricultura e os sistemas de avaliação de sustentabilidade em iLPF,seu planejamento e implantação, até a qualidade e destinação dos produtos obtidos, considerando o cenário global de produção de alimentos, fibra eagroenergia. Passa ainda por abordagens em aspectos relativos àinovação da agropecuária brasileira, as perspectivas e desafios futuros, simulações de sistemas, até o cenário comparativo de sistemas similares em outros países e as extrapolações eventuais dos sistemas brasileiros.

O trabalho congregao conhecimento multidisciplinar de diversos especialistas da Embrapa e de instituições parceiras. A obra traz não apenas um conteúdo rico de informações, mas apresentauma sequência técnica que facilita sua leitura e aproveitamento prático para quem busca informações sobre sistemas de integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Outro aspecto inovador da equipe é a disponibilização de planilhas eletrônicas, aplicativos e esquemas táticos que podem ser utilizados diretamente pelos produtores, técnicos e consultores na implantação e condução de seus sistemas de produção.

Esta é uma iniciativa como experiência brasileira ímpar. Os iLPFstiveram seu nascedouro no Brasil interior, em municípios de forte tradição agrícola como Maracaju, MS, têm grandes áreas pelo Centro-Oeste,e pode ser de grande valia e adoção em outros países nas regiões tropicais e subtropicais do mundo.

O agronegócio brasileiro mais uma vez dá um show. Mostra ao mundo que estamos cumprindo nosso papel, fazendo ciência aplicada, disponibilizandoconhecimentos e tecnologias, promovendo o desenvolvimento sustentável de nossa nação e ajudando prover ao mundo mais alimento, fibra e agroenergia de qualidade superior.

Um brinde ao iLPF!

Parabéns ao Brasil!

(*) Cleber Oliveira Soares, chefe-geral da Embrapa Gado de Corte

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions