A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/03/2015 15:03

Vamos nos ocupar da crise, não a crise de nós

Por José Serra (*)

Nas próximas semanas, o Congresso Nacional se pronunciará sobre um projeto de lei que, se for aprovado, dará inicio a mudanças profundas na política brasileira: a implantação do voto distrital nas cidades com mais de 200 mil eleitores. Nesses municípios — cerca de 90 — vivem 38% dos eleitores brasileiros. A chance desse projeto ser aprovado é grande, até porque a mudança pode ser feita por lei ordinária, aprovada por maioria simples no Senado e na Câmara.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Tomemos como exemplo a cidade do Rio: se o projeto virar lei, ela será eleitoralmente dividida em 51 distritos, de aproximadamente 95 mil eleitores. Cada um deles elegerá um vereador. Como consequência, os custos de campanha cairão vertiginosamente, aumentará a representatividade do vereador, e o eleitor dos distritos poderá acompanhar o atuação do eleito. Esse novo sistema tem tudo para dar certo e para influenciar a redefinição do processo de escolha de deputados estaduais e federais.

Esse projeto de lei sobre o voto distrital é um dos seis que já encaminhei no Senado. Propus ainda a extinção das Mesas das Casas Legislativas brasileiras: câmaras municipais, assembleias estaduais, Câmara Federal e Senado. Por quê?

Em países como EUA e Chile, a direção dos respectivos Parlamentos é exercida pelo presidente eleito por seus pares, que escolhem também um ou dois vice-presidentes. E pronto! No Brasil, a tradição e a prática levam à eleição de um time completo. Em todas as Casas Legislativas há um presidente, vice, secretários e suplentes. A cada dois anos, é feita uma composição entre partidos e indivíduos, dando margem a um troca-troca na repartição dos cargos que nada tem a ver com os eleitores, com o interesse público ou com programas de governo.

E tudo isso para quê? Para nada, exceto aumentar as despesas, pois o parlamentar que integra a “mesa” dispõe de mais funcionários nomeações e outras regalias. Ironicamente, aqueles que trabalham com seriedade, e são muitos, empregam seu tempo em atividades administrativas rotineiras que nada tem a ver com seus eleitores e que deveriam ser exercidas pela burocracia dos legislativos.

O terceiro projeto apresentado estabelece que a receita do PIS-Cofins cobrado sobre as atividades de saneamento básico seja investida no setor e no estado onde foi gerada. É isto mesmo: por incrível que pareça ,existe hoje uma tributação mórbida incide hoje sobre as empresas que cuidam da água e do esgoto. São R$ 2 bilhões por ano, surrupiados de atividades essenciais para a saúde da população.

O quarto projeto cria a Nota Fiscal Brasileira (NFB), baseada na experiência da Nota Fiscal Paulista. Nesse caso, trata-se da devolução aos consumidores de 30% do imposto estadual ao valor adicionado (ICMS) nas vendas a varejo. Pois bem, a NFB permitirá que seja devolvido pela Receita Federal o equivalente à metade do crédito já concedido pelo estado. Essa contrapartida ampliará o estímulo à exigência de notas fiscais e diminuirá ainda mais sonegação. A arrecadação como um todo cresce, enquanto a carga tributária individual diminui.

O quinto projeto aborda uma questão crítica da economia brasileira, talvez a principal: a fragilização wagneriana da Petrobrás, no bojo não apenas da corrupção como método de governo, mas também e sobretudo do irrealismo e até da irresponsabilidade do planejamento dos investimentos da empresa.

Um aspecto desse processo sempre me chamou a atenção pela sofisticação da inépcia e pela utilização do patrimônio público para fins puramente eleitorais: a implantação do método da partilha na exploração das reservas do pré-sal. Isso foi inventado em 2009/2010 com o propósito de servir à eleição presidencial, pois poderia facilitar aquela polarização que o marketing petista inventou e procurou exacerbar entre “nacionalistas” e “entreguistas”.

A partilha sempre foi uma falsa opção porque o método das concessões, implantado durante o governo FHC, funciona muito bem do ponto de vista da prospecção, da exploração, das receitas obtidas e dos interesses nacionais. O mais grave, porém, não foi o novo método mas a obrigação imposta à Petrobrás de assumir a exclusividade na operação de cada novo poço aberto e aportar, no mínimo, 30% dos investimentos necessários.

O projeto lei que já apresentei suprime essas duas obrigatoriedades, que agravaram os problemas financeiros e administrativos da empresa. E isso se deu num contexto de represamento oportunista dos preços dos combustíveis e de investimentos desastrados, como no caso das refinarias. O resultado foi o endividamento exponencial da Petrobrás e, aspecto menos lembrado, o atraso de 5 anos na exploração de reservas existentes.

Por fim, elaborei um projeto impondo limites ao endividamento da União, exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal que até hoje, passados 15 anos, não foi cumprida. Estados e municípios têm limites para suas dívidas consolidadas, mas o governo federal não. Obtive apoio da maioria dos senadores para desarquivar um Projeto de Resolução (PRS) de 2007. Meu projeto será apresentado como substitutivo a esse PRS.

O objetivo é coibir abusos dos governantes de plantão, melhorar as condições de solvência do setor público, facilitar o equilíbrio de longo prazo das contas públicas e reduzir as despesas com juros. Os limites impostos envolverão a dívida líquida e a dívida bruta da União, como proporção de suas receitas líquidas.

Faço o elenco desses projetos, entre outros que vou apresentar, para demonstrar que é, sim, possível estabelecer uma agenda virtuosa quando se sabe para onde se quer ir. Preocupa-me o clima de pessimismo, que vejo aqui e ali, como se o Brasil vivesse uma espécie de mal-estar da abastança, próprio de um país que tivesse resolvido todos os seus problemas e pudesse se entregar ao luxo do tédio. Não! Existe, sim, muito por fazer desde que se tenha clareza de propósitos. Vale dizer: nós vamos nos ocupar da crise, não a crise de nós.

Não temos tempo de alimentar o tédio. Temos a urgência das mudanças, em muitas frentes de batalha. À luta!

(*) José Serra é senador pelo PSDB, ex-prefeito e ex-governador de São Paulo.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions