A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

29/11/2016 19:14

OAB-MS realiza debate sobre pirataria e formas de coibir prática ilegal

Nyelder Rodrigues
Produtos pirateados foram expostos em mesa durante debate sobre pirataria na OAB (Foto: Divulgação)Produtos pirateados foram expostos em mesa durante debate sobre pirataria na OAB (Foto: Divulgação)

Foi realizado na manhã desta terça-feira (29) pela OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul) uma série de palestras sobre "Combate à Pirataria e demais Ilegalidades". O evento aconteceu na sede da Ordem, em Campo Grande, e debateu os interesses e direitos dos consumidores, coibindo a concorrência desleal e a pirataria.

Veja Mais
Idoso passa direto em rua, colide carro em muro e morre na Capital
Servidora do Gaeco que havia desaparecido é encontrada pela família em rodovia

A discussão foi proposta tendo em consideração o crescente volume de importações ilegais e a prática de outras fraudes de marcas, que configuram pirataria. A iniciativa de realizar as palestras surgiu após parceria entre as comissões de propriedade intelectual das seccionais de MS e de MT da OAB.

"Com o apoio do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade foi possível viabilizarmos essa temática diferenciada para os profissionais do nosso Estado", frisa o presidente da comissão em MS, Jardel Matos.

Um dos palestrantes foi o consultor técnico do IMEPPI (Instituto Meirelles de Proteção à Propriedade Intelectual), Estelio Macedo, que falou sobre a dificuldade em combater a ilegalidade com a carência de efetivo por parte do poder público e o aprimoramento dos delitos pelos infratores.

"É uma luta árdua. O resultado do combate é a redução do prejuízo ao erário público, ao consumidor. A sociedade está aprendendo, de certa forma, a não consumir produtos ilegais por experiência própria", comenta o consultor, que completa.

"Aquele consumidor que adquiriu um produto e não ficou satisfeito com a utilização, automaticamente, passa a não querer mais adquirir aquele produto de maneira irregular e, sim, optando pelas lojas especializadas", afirma.

Já Luciano Gonda, da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), disse que a instituição trabalha em prol de projetos acadêmicos patenteados que incentivam os acadêmicos a combaterem a pirataria. Na ocasião, ele destacou a importância do evento para a conscientização da sociedade.

Outro que participou do debate é superintendente da PRF (Polícia Rodoviária Federal) no Estado, Luiz Alexandre Gomes da Silva. "Essa real economia informal alimenta o crime organizado e as organizações que corrompem o nosso país. Temos que buscar minimizar essas ações", argumenta.

Em seu discurso, o presidente da OAB-MS, Mansour Karmouche, fez um alerta para a conexão que existe entre a pirataria e falsificação com o crime organizado. "Os criminosos se utilizam destes mecanismos para subsidiar outros tipos de crime", destaca Karmouche, que também enalteceu o tabalho realizado pela polícia para coibir tal prática.

Idoso passa direto em rua, colide carro em muro e morre na Capital
Amadeu Pereira de Souza, 64 anos, morreu na manhã deste sábado (10) depois que o carro que dirigia ter batido em um muro de uma escola na Vila Margar...
Polícia investiga participação de bancários em golpe de cheque clonado
A Polícia Civil de Campo Grande investiga se há participação de bancários em novo tipo de estelionato praticado na cidade. Os primeiros registros oco...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions