A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

20/11/2016 15:49

Em Campo Grande, juiz espírita defende carta psicografada como prova em processo

Yarima Mecchi
Juiz discursou na OAB-MS na manhã de hoje. (Foto: Alcides Neto)Juiz discursou na OAB-MS na manhã de hoje. (Foto: Alcides Neto)

Espirita há 30 anos, o juiz de Minas Gerais, Augusto Fonseca, defende a utilização de carta psicografa em processos que tramitam na Justiça. O ato que já gerou polêmica e foi utilizado em alguns casos, foi tema de palestra hoje (20) na OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul).

Mesmos sabendo da dificuldade em discutir o tema e em convencer os demais magistrados a aceitaram a prova, Fonseca afirma que não vai desistir e garante legitimidade das cartas psicografadas.

Veja Mais
Secretaria de Educação quer ampliar escolas de tempo integral no MS
Campo Grande tem a 10ª tarifa mais cara entre capitais brasileiras

Com base nas leis brasileiras ele defende que a prova não deve ser descartada, mas é um dos poucos.  "Raríssimos são os casos que são admitidas a prova psicografada no processo, cabe a parte e ao advogado pedir para utilizar a prova e apresenta-lá", relatou.

Ele pontua que os mesmos cuidados que precisam ser tomados com qualquer outra testemunha ou prova, é importante verificar a credibilidade do médium.  
"Naturalmente, vai ter que ver a proveniência, a credibilidade do médium, se ele não colocou nada dele na prova. Ele pode ter criado algo e colocado, aí não é mensagem do espirito ou do ente comunicante. Da mesma forma que tem testemunha falsa que vai contar mentira, um perito que faz um laudo falso"".

Como juiz e espírita ele diz que há maneiras de saber a veracidade da prova e ressalta que assim como as outras, a carta psicografada é mais um fato anexado ao processo e não uma decisão final sobre o caso. 

Magistrado disse que não vai desistir. (Foto: Alcides Neto)Magistrado disse que não vai desistir. (Foto: Alcides Neto)

Entre as análises que devem ser feitas para que a carta psicografada seja aceita, Fonseca destaca que o médium precisa ter uma psicografia definida, publicações e credibilidade perante a sociedade. "Assim como é com as testemunhas", reforça.

Apesar de muita resistência e críticas, ele assumiu a missão de falar com as pessoas sobre o assunto. Fonseca garante que o espiritismo não é só uma doutrina e sim uma ciência. Ele contou que houve causas onde um exame provou que a letra da carta psicografada era e mesma da pessoa morta.

"É uma caminhada longa e árdua. Sou minoria, mas não desisto. A questão da prova tem que ser olhada por dois enfoques. O primeiro é se pode vir ao processo e o segundo momento é como vamos pesar essa prova. Ela pode vir a partir da justificativa constitucional, amplo direito de ação e amplo direito de defesa. Se é amplo não pode restringir", finaliza.

Secretaria de Educação quer ampliar escolas de tempo integral no MS
Foi apresentada nesta segunda-feira (5) ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) pela secretária de Estado de Educação, Maria Cecilia Amendola da Motta...
Produção de leite em MS ganha mais higiene e rapidez
O governo do Estado entregou nesta segunda-feira 131 ordenhadeiras a pequenos produtores de 29 municípios....



É uma vergonha em pleno seculo XXI, um juiz defender o uso de cartas psicografadas como prova de alguma coisa. Se uma pessoa precisa apelar a "provas" paranormais para provar sua inocência, é porque não existem provas reais de sua inocência.
 
Kevin Soares Coutinho em 21/11/2016 21:36:39
O pior é que pagamos, e caro, pra um cara desses falar essas idiotices. Daqui a pouco aparece um dizendo que temos que acreditar nos búzios, nas cartas ciganas? Manda logo todo mundo no Inri Cristo pra ele julgar, pelo menos sairia mais barato para o contribuinte.
 
Ricardo Farias em 21/11/2016 14:05:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions