A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

28/01/2015 09:10

Novas medidas podem reduzir em 50% gasto com o seguro-desemprego

Viviane Oliveira
Superintendente diz que de imediato a economia com seguro-desemprego será de 50%. (Foto: Simão Nogueira) Superintendente diz que de imediato a economia com seguro-desemprego será de 50%. (Foto: Simão Nogueira)

Caso seja aprovada a medida que prevê aumentar de seis para 18 meses o tempo de trabalho para ter acesso ao primeiro seguro-desemprego, Mato Grosso do Sul vai poupar de imediato 50% nos gastos com o benefício, de acordo com o titular da SRTE/MS (Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul), Anízio Pereira Tiago. O projeto, que será enviado ao Congresso Nacional altera também o período de carência para a segunda solicitação, que passa a ser de 12 meses e a partir do terceiro pedido, a carência volta a ser de seis meses. Atualmente, o trabalhador pode solicitar o primeiro seguro-desemprego após seis meses.

Veja Mais
Governo regras sobre pensão, auxílio-doença e seguro-desemprego
Seleção de temporários da Reme recebe até sexta-feira inscrições

No ano passado foram pagos R$ 413 milhões para 123 mil trabalhadores que pediram o benefício no Estado, 9% a mais que em 2013, quando 114 mil solicitaram o seguro-desemprego. Com as novas medidas, o impacto inicial na economia será de 50% e ao longo do tempo se estabiliza em 26%. “Considerando que nós temos uma economia, pelas estatísticas, em pleno emprego não tem sentido nós termos um volume alto de acesso ao seguro-desemprego em uma realidade como a do Brasil”, destaca Anízio.

A estudante Karolina Branco da Gama, 23 anos, deu entrada no benefício depois de trabalhar 25 meses em uma empresa. Ela aprova a alteração e diz que a medida vai fazer o trabalhador pensar duas vezes antes de pedir para ser demitido. “Tem gente que entra em uma empresa já com segunda intenções, agora isso vai mudar”, diz. Ela acrescenta ainda que o empregador vai ter mais segurança na hora de contratar.

Compartilha da mesma opinião a vigilante Fabíola Firme dos Santos, 22, que deu entrada no seguro-desemprego no começo desta semana. A jovem disse que vai entrar no seguro, mas já está de olho em uma oportunidade melhor. “Tem gente que trabalha seis meses, saí do emprego e fica no seguro. Acho que a nova medida vai evitar situações desse tipo e obrigar o trabalhador a ficar mais tempo no emprego”, afirma.

Karolina aguardava para dar entrada no benefício depois de 24 meses de trabalho. (Foto: Simão Nogueira) Karolina aguardava para dar entrada no benefício depois de 24 meses de trabalho. (Foto: Simão Nogueira)

No total, são duas medidas. Além da trabalhista, haverá mudanças nos benefícios previdenciários, como a pensão por morte e o auxílio-doença. “As alterações que o governo coloca nesses dois elementos, embora não seja relacionada ao Ministério do Trabalho, tem a mesma finalidade: indicar que as coisas não podem ser no caminho da facilidade e sim do direito”, pontua Anízio.

Ainda de acordo com superintendente, a intervenção do Governo Federal não tem apenas cunho econômico, mas com outras diretrizes como, por exemplo, o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), que foi criado para atender demanda de trabalhadores que não tinham qualificação profissional. No entanto, a meta do programa não está sendo cumprida porque exitem aqueles que estão satisfeitos com os benefícios trabalhistas.

Mudanças - Também haverá alteração no pagamento das parcelas de seguro-desemprego. Com as alterações, o trabalhador vai receber na primeira solicitação, quatro parcelas se tiver trabalhado entre 18 e 23 meses e vai receber cinco parcelas se tiver trabalhado a partir de 24 meses.

Na segunda solicitação, a pessoa vai receber quatro parcelas se tiver trabalhado entre 12 e 23 meses e cinco parcelas a partir de 24 meses. Na terceira, nada muda. Pela regra atual, o trabalhador recebe três parcelas se tiver trabalhado entre seis e 11 meses.

Para receber quatro, a pessoa tem que ter trabalhado entre 12 e 23 meses e para receber cinco parcelas tem que ter trabalhado pelo menos 24 meses.

O governo vai mudar ainda a carência do tempo de carteira assinada do trabalhador que tem direito a receber o abono salarial. Antes, quem trabalhava somente um mês e recebia até dois salários mínimos tinha acesso ao benefício. Se a medida for aprovada, será necessário seis meses de trabalho. Se aprovadas, as medidas começam valer a partir de 1º de março deste ano. 

Ontem, a Folha de São Paulo divulgou que o governo admitiu que vai ceder às centrais sindicais e rever parte das mudanças nas regras do seguro-desemprego, no entanto, a determinação do Palácio do Planalto é negociar com as centrais, mas o governo não revogará as medidas como pedem os sindicalistas. 

Governo regras sobre pensão, auxílio-doença e seguro-desemprego
O governo federal publicou na noite desta terça-feira (30), em edição extraordinária do Diário Oficial da União, as medidas provisórias (MPs) 664 e 6...
Seleção de temporários da Reme recebe até sexta-feira inscrições
O cadastramento para a seleção de professores temporários interessados em compor o quadro reserva da Reme (Rede Municipal de Ensino) de Campo Grande ...
Três cursos gratuitos na área de informática estão com inscrições abertas
Estão abertas as inscriçõe em três cursos gratuitos na área de informática em Campo Grande. As qualificações são oferecidas pela Escola Estadual Arli...
Inscrições abertas para mestrados nas áreas de Zootecnia e Educação na UEMS
A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), divulgou os editais de abertura para os mestrados Stricto Sensu em zootecnica, na unidade de Aq...



Só mudam leis para prejudicar a vida dos trabalhadores, porque não fazem leis para reduzir o salário dos políticos que não fazem nada e só sabem roubar???
 
Laura Vicente em 28/01/2015 15:02:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions