A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

21/10/2010 12:21

Funcionários terceirizados da Enersul entram em greve

Redação

Cerca de 70 funcionários terceirizados da Enersul, que trabalham como leituristas, estão em greve desde a tarde de ontem (19). Todos são trabalhadores da Floripark, contratada pela companhia de energia para prestação de serviços.

Segundo o presidente do Sinergia (Sindicato dos Eletricitários de Mato Grosso do Sul), Elvio Marcos Vargas, os trabalhadores reclamam da precarização das condições de trabalho.

Ao todo, segundo ele, 90% dos leituristas aderiram ao movimento.

Em outubro do ano passado, de acordo com o Sinergia, houve um acordo do sindicato com a Floripark.

Conforme o sindicato, a empresa se comprometeu a negociar os salários e elaborar um acordo coletivo de trabalho em um período de 6 meses, o que não ocorreu. Com isso, o salário dos leituristas está sem reajuste há pelo menos 2 anos, segundo informações do sindicato.

Na semana passada os trabalhadores se reuniram novamente: "No sábado fizemos uma assembleia com os leituristas e demos um prazo para a empresa (Floripark)", conta Vargas.

A empresa, no entanto, ainda não se manifestou, segundo Vargas.

O presidente do Sinergia afirmou que a Floripark, além do serviço de leituristas, também presta serviço técnico, ou seja, de corte e religação de luz, feito por eletricistas.

"Eles não têm plano de saúde. Outro dia conversei com um funcionário que ganha R$ 375 com os descontos. Isso é abaixo do salário comercial", relata Vargas.

Ainda que a empresa preste um serviço para a Enersul, o sindicato acusa a companhia de energia de se beneficiar dos contratos. "A Enersul terceiriza com contratos onde a empreiteira não tem condições de pagar o salário para os seus funcionários", afirma Vargas.

Ele acusa a Enersul ainda de ter firmado contrato com a empresa que ofereceu valor mais baixo pelo serviço. Vargas diz que a Floripark tem sede em Florianópolis e por isso aceitou contratos mesmo com valores reduzidos. "Eles vieram se aventurar. Não têm compromisso nenhum com o Estado".

O presidente do Sinergia criticou a postura da Enersul, que poderia ter contratado uma prestadora de serviços com um valor que proporcionasse salários melhores. "Eles só pensam no lucro", afirma Vargas.

Greve generalizada

Veja Também
Entidades alertam para tráfico de menores no futebol
O sonho de seguir carreira no futebol não pode levar o jovem a se submeter a condições degradantes e sem acesso à educação nas escolinhas ou centros ...
Mega acumulada em R$ 7 milhões dá para comprar frota de 53 carros de luxo
Os apostadores da Mega Sena, que está acumulada em R$ 7 milhões, caso ganhem podem comprar uma frota de 53 carros de luxo, 17 imóveis de R$ 400 mil c...
Ministério da Saúde quer imunizar 150 mil crianças contra paralisia e sarampo
O Ministério da Saúde lançou hoje (30) a campanha nacional de imunização contra o sarampo e a paralisia infantil em Mato Grosso do Sul. A meta é imun...
imagem transparente

Desenvolvido por Idalus Internet Solutions