A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

16/08/2014 09:42

Acadêmica da UFGD ganha prêmio em São Paulo de melhor monografia do MS

Luciana Brazil
Larissa recebe prêmio da Ordem dos Economistas do Brasil. (Foto: Dourados Agora)Larissa recebe prêmio da Ordem dos Economistas do Brasil. (Foto: Dourados Agora)

Uma acadêmica do curso de Ciências Econômicas da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) recebeu esta semana, em São Paulo, o prêmio de melhor monografia de Mato Grosso do Sul, concedido pela Ordem dos Economistas do Brasil. De acordo com o site Dourados Agora, Larissa Viscardi Mendonça apresentou o trabalho intitulado “Análise do Comportamento da Demanda por Importações Brasileiras de 2000 até 2012”. 

Veja Mais
Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
Pistoleiro morre baleado durante confronto com a polícia do Paraguai

O trabalho teve o objetivo de analisar as influências das mudanças na taxa de câmbio e PIB (Produto Interno Bruto) sobre as importações brasileiras. O levantamento foi baseado no movimento das variáveis no período compreendido entre 2000 e 2012, com frequência de dados trimestrais. O orientador da monografia foi o professor doutor Alexandre bandeira Monteiro e Silva da FACE (Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia) da UFGD.

As principais fontes de dados utilizadas pela acadêmica foram o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A estudante utilizou vários métodos para concluir o estudo, entre eles a análise descritiva, teste de raiz unitária e teste de Phillips-Perron, análise de autocorrelação e regressão entre as séries.

Conforme o Dourados Agora, os resultados do trabalho indicaram que as variáveis não respondem a mudanças e são estatisticamente significantes. Verificou-se que a taxa de câmbio teve influência levemente maior do que o PIB sobre as importações brasileiras durante período analisado. Isso contraria estudos anteriores que demonstravam que o PIB era o maior influenciador das importações, seguido pela taxa de câmbio.

Ao observar o comportamento das variáveis em dois períodos separados, o primeiro de 2000 a 2003, e o segundo de 2004 a 2012, a acadêmica conclui que no primeiro período, em função do desempenho em 2001 e da conjuntura econômica internacional, as importações brasileiras sofreram queda e não foram tão influenciadas pelo PIB e câmbio, mas sim por outras variáveis que não estavam incluídas no modelo, tais como expectativa com relação ao mundo e incertezas em relação aos Estados Unidos.

Já no segundo período, houve uma ascensão das importações e ocorreu grande oscilação no câmbio devido à crise imobiliária americana de 2008, e pequena oscilação do PIB brasileiro, resultando em uma influência maior da taxa de câmbio.

Na conclusão, Larissa termina o estudo dizendo que os coeficientes PIB e taxa de câmbio, atrelados a outras variáveis que não foram incluídas no estudo, são muito importantes para as importações e para o cenário econômico atual, tendo em vista os impactos dos produtos importados sobre os custos de produção e controle da inflação de um país. Para a acadêmica, o trabalho mostra a importância de acompanhar a evolução dessas variáveis para se estimar o funcionamento da economia e seu setor externo.

Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
A Sanesul e a prefeitura de Nova Alvorada do Sul - cidade localizada a 120 km de Campo Grande - terão que criar no município rede coletora e estação ...
Médico nega que tenha abandonado pacientes e diz que foi autorizado a sair
O médico Carlos José da Costa Duran, de 41 anos, nega que tenha abandonado o plantão no hospital e maternidade Idimaque Paes Ferreira, o único em Rio...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions