A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

25/10/2016 13:19

Adesão à greve aumenta e servidores da UFGD fazem ato público à tarde

Helio de Freitas, de Dourados
Técnicos administrativos da UFGD estão em greve desde ontem (Foto: Divulgação)Técnicos administrativos da UFGD estão em greve desde ontem (Foto: Divulgação)

Técnicos administrativos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) entraram hoje (25) no segundo dia de greve em protesto para pressionar o Congresso Nacional a rejeitar a PEC 241, a Proposta de Emenda Constitucional que limita os gastos do governo federal e está na pauta desta terça-feira da Câmara dos Deputados.

Veja Mais
Protestos contra PEC aumentam e administrativos da UFGD iniciam greve
Fiems pede que governo mantenha contratos de incentivos fiscais

De acordo com Cleiton Rodrigues, coordenador geral do sindicato dos administrativos da UFGD, dos mil servidores que trabalham na universidade e no HU (Hospital Universitário), pelo menos 25% já aderiram à greve. Às 17h de hoje, os grevistas fazem um ato público na Praça Antonio João.

“Para os acadêmicos, a greve afeta os acessos e assistências nos laboratórios, empréstimos nas bibliotecas e solicitações de documentos nas secretarias. Para a população, restringe o atendimento em geral de informações e até de solicitação de algum serviço. Também pode impactar no atendimento no HU, principalmente novas internações e cirurgias eletivas”, afirmou.

De acordo com o Sintef, a greve dos técnicos administrativos das universidades federais ocorre em todo o país. Na UFGD, os servidores decidiram aderir à paralisação na semana passada.

“Essa mudança na Constituição prevê que nos próximos 20 anos os investimentos do governo serão congelados. Entende-se que, a partir de 2018, a universidade vai receber o mesmo recurso que pode gastar em 2016. Se houver algum aumento no repasse de verbas, este será no máximo de acordo com a inflação do ano anterior”, afirma o Sintef.

Na avaliação dos grevistas, o congelamento vai afetar a qualidade do ensino e afetar as pesquisas e projetos de extensão. “O impacto será sentido não apenas pelos trabalhadores, mas especialmente pelos estudantes que são o principal público do serviço que prestamos”.

O Sintef afirma que essa é uma greve diferente, já que faz uma reivindicação política e a pauta não tem a ver com reposição salarial ou benefício específico para a categoria. “Por isso, mais do que nunca, a estratégia de cruzar os braços e paralisar as atividades não será suficiente. É necessário mobilizar a sociedade, e divulgar o que o governo está fazendo com o futuro da saúde e da educação”, diz nota do sindicato.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions