A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

25/10/2016 13:19

Adesão à greve aumenta e servidores da UFGD fazem ato público à tarde

Helio de Freitas, de Dourados
Técnicos administrativos da UFGD estão em greve desde ontem (Foto: Divulgação)Técnicos administrativos da UFGD estão em greve desde ontem (Foto: Divulgação)

Técnicos administrativos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) entraram hoje (25) no segundo dia de greve em protesto para pressionar o Congresso Nacional a rejeitar a PEC 241, a Proposta de Emenda Constitucional que limita os gastos do governo federal e está na pauta desta terça-feira da Câmara dos Deputados.

De acordo com Cleiton Rodrigues, coordenador geral do sindicato dos administrativos da UFGD, dos mil servidores que trabalham na universidade e no HU (Hospital Universitário), pelo menos 25% já aderiram à greve. Às 17h de hoje, os grevistas fazem um ato público na Praça Antonio João.

“Para os acadêmicos, a greve afeta os acessos e assistências nos laboratórios, empréstimos nas bibliotecas e solicitações de documentos nas secretarias. Para a população, restringe o atendimento em geral de informações e até de solicitação de algum serviço. Também pode impactar no atendimento no HU, principalmente novas internações e cirurgias eletivas”, afirmou.

De acordo com o Sintef, a greve dos técnicos administrativos das universidades federais ocorre em todo o país. Na UFGD, os servidores decidiram aderir à paralisação na semana passada.

“Essa mudança na Constituição prevê que nos próximos 20 anos os investimentos do governo serão congelados. Entende-se que, a partir de 2018, a universidade vai receber o mesmo recurso que pode gastar em 2016. Se houver algum aumento no repasse de verbas, este será no máximo de acordo com a inflação do ano anterior”, afirma o Sintef.

Na avaliação dos grevistas, o congelamento vai afetar a qualidade do ensino e afetar as pesquisas e projetos de extensão. “O impacto será sentido não apenas pelos trabalhadores, mas especialmente pelos estudantes que são o principal público do serviço que prestamos”.

O Sintef afirma que essa é uma greve diferente, já que faz uma reivindicação política e a pauta não tem a ver com reposição salarial ou benefício específico para a categoria. “Por isso, mais do que nunca, a estratégia de cruzar os braços e paralisar as atividades não será suficiente. É necessário mobilizar a sociedade, e divulgar o que o governo está fazendo com o futuro da saúde e da educação”, diz nota do sindicato.

Indígena de 21 anos é assassinado com facada no peito em aldeia
Um indígena de 21 anos foi morto no início da noite desta sexta-feira (20) após ser atingido com uma facada no peito, na aldeia Amambai, em Amambai -...
Homem com facão faz três pessoas da mesma família como reféns em casa
Três pessoas foram feitas reféns em uma casa na rua Rio de Janeiro, Centro de Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande -, na manhã des...
UEMS recebe a partir de segunda-feira congresso de pesquisadores negros
A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - recebe entre segunda-feira (23) e sáb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions