A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

05/06/2012 16:51

Advogado de médica indiciada por morte de universitária contesta laudo

Nicholas Vasconcelos

Defesa afirma que causa da morte foi choque séptico e não anafilático

Letícia foi atendida quatro vezes no hospital de Bonito. (Foto: Divulgação)Letícia foi atendida quatro vezes no hospital de Bonito. (Foto: Divulgação)

O advogado da médica infectologista Caroline Franciscato, de 31 anos, denunciada pelo erro médico que causou morte da acadêmica de odontologia Letícia Gottardi, de 19 anos, disse que pediu para que o laudo da morte seja refeito. Leopoldo da Silva Lopes afirmou que a causa da morte teria sido choque séptico e não um choque anafilático, provocado pela reação alérgica ao medicamento dipirona.

De acordo com Leopoldo, o novo pedido de laudo foi feito ao CRM-MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul) que deve solicitar para que seja revista a causa da morte da universitária. Segundo ele, a morte teria sido causada por conta da apendicite que levou Letícia até o hospital João Darci Bigaton, em Bonito, distante 257 quilômetros de Campo Grande.

Para a defesa outro ponto que precisa ser revisto é a anotação da alergia a dipirona. “Existe a dúvida se a ressalva foi anotada antes ou depois do início dos sintomas e também do local onde ela foi feita. A anotação foi feita no verso do documento, se fosse no local correto a médica teria visto”, afirmou Leopoldo.

O pedido para que o laudo seja revisto já foi encaminhado ao Conselho, mas ainda não tem prazo para que o trâmite seja concluído.

O CRM-MS abriu sindicância para apurar o suposto erro médico, que depois de concluído poderá servir de base para que seja aberto um processo ético. Só a partir da conclusão das investigações é que Caroline poderá ou não ter o registro médico cassado.

Segundo o CRM, a sindicância e o processo ético devem levar de dois a quatro anos para serem concluídos.

A infectologista foi indiciada na última sexta-feira (1°) por homicídio doloso, por dolo eventual, quando a pessoa assume o risco de matar e vai responder ao inquérito em liberdade.

Letícia Gottardi Côrrea morreu no dia 7 de abril, após quatro idas ao hospital. No prontuário da paciente constava que a jovem era alérgica à dipirona.

Documentos comprovam que a médica ordenou que fossem aplicadas duas injeções do medicamento, o que provocou a morte por choque anafilático.

Prefeitura perde na Justiça e terá que pagar retroativos a professores
Em decisão tomada por unanimidade pelos desembargadores da 1ª Câmara Cível do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), a prefeitura de Ivin...
Após relato sobre caça e extração ilegal de madeira, PMA apreende arma
Após receber denúncias de extração ilegal de madeira e caça ilegal sendo praticadas em Ivinhema - município localizado a 282 km de Campo Grande -, um...
Falso médico é acusado de matar paciente em hospital do interior
O MPE (Ministério Público Estadual) denunciou à Justiça e pediu a prisão do falso médico Marx Honorato Ortiz. Ele teria atuado no Hospital Municipal ...



Então quer dizer que ela morreu de apendicite mesmo tendo ido várias vezes ao hospital????? Épácabá mesmo hein!!!
 
Kaio Pascal em 06/06/2012 08:30:00
Nossa, como tem perito aqui no campograndenews. Vem ca, todos voces fizeram a necropsia???? Nao neh? entao acho q nenhum de nos realmente sabe qual foi realmente a causa da morte da estudante.
 
ana maria em 06/06/2012 06:02:42
Como médico, coloco-me na condição da colega citada no caso em questão, e sei que o CRM, longe de ser uma instituição corporativista, irá conduzir tal sindicância com prudência e lisura. Infelizmente, a medicina como um todo tem sido desvalorizada, e a figura do médico, nada mais é do que uma vítima do sistema de saúde público deste País.
 
Edinaldo Bandeira em 05/06/2012 11:03:08
Ainda bem que não é a sua filha, né Dr. Advogado!
 
Micheli Souza em 05/06/2012 10:27:13
O direito de defesa, como sabemos, é uma garantia constitucional para todos, mas, pelo amor de Deus, senhor Advogado, não queime seu nome com causas desse tipo ou, pelo menos, defenda seu cliente de forma a não expor a sua classe ao ridícuo.
 
Ronaldo Antunes em 05/06/2012 08:07:44
Faz-me rir né doutor advogado. Contestar uma pericia oficial para deixar a ccargo do CRM que sempre foi coorporativista???? A justiça leva em consideração a perícia oficial. A pessoa teve acesso ao documento, não lê e agora vc vem dizer que não estava escrito???? De certo ela morreu de apendicite e nós somos o coelho da páscoa. não substime a intelingencia das pessoas e da Justiça.
 
Fábio Chaves Mitidiero em 05/06/2012 05:16:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions