A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

22/08/2014 20:34

Após morte por gripe A, moradores se desesperam em busca de vacina

Caroline Maldonado
Moradores causaram tumulto em posto de saúde (Foto: Jatobá News)Moradores causaram tumulto em posto de saúde (Foto: Jatobá News)
Moradores chegaram 4h ao posto no dia 15 deste mês (Foto: Reprodução/Facebook)Moradores chegaram 4h ao posto no dia 15 deste mês (Foto: Reprodução/Facebook)

Após a morte de uma funcionária pública vítima da gripe H1N1, a notícia se espalhou e centenas de pessoas madrugaram em busca de vacina no posto de saúde de Bela Vista, a 322 quilômetros de Campo Grande. Mais de 500 pessoas chegaram as 4h da manhã e fizeram uma organização improvisada distribuindo senhas para evitar confusão, mas ainda assim muita gente não foi vacinada na sexta-feira (15).

A Secretaria de Saúde informou que a campanha de vacinação para os grupos de risco ocorreu em abril, com a meta de vacinar 5.522 pessoas, sendo que 5.300 pessoas foram vacinadas com o fim da campanha. Depois disso, segundo a Secretaria, as doses foram sendo distribuídas conforme a procura.

Com o tumulto ocorrido no posto, a Secretaria de Saúde solicitou então mais 600 doses ao Estado e conseguiu ainda 450 doses, que haviam sobrado da campanha no município de Deodápolis, a 252 quilômetros de Campo Grande. Essas doses foram distribuídas na última semana, segundo a Secretaria, que afirmou ter enviado ofício a Promotoria de Justiça, explicando que fez a sua parte e avançou na meta estipulada pelo Ministério da Saúde, sem negligenciar. De acordo com a coordenação de Atenção Básica da cidade, o Ministério da Saúde não está mais distribuindo doses da vacina.

Ainda conforme a Atenção Básica, fazem parte do grupo de risco crianças maiores de 6 meses a 5 anos, gestantes, mulheres em pós-parto de até 45 dias, idosos acima de 65, população do sistema prisional, trabalhadores de saúde, indígenas aldeados e pessoas com doenças crônicas.

Indignada, uma jovem que procurou vacina no dia do tumulto publicou foto no Facebook e relatou o ocorrido. “Foi um empurra-empurra, e realmente foi 'olho por olho, dente por dente', 'cada um por si, Deus por todos'. A população quase derrubando o posto de saúde, todos desesperados e porque estipular doses por dia?”, questionou Karla Mundier em publicação na rede social. 

Vítima – O desespero tomou conta das pessoas três dias após a morte de Elizete Flores Arestimino, 50 anos, ocorrida no dia 12 deste mês. Elizete começou a sentir dores e ter febre e procurou o hospital no dia 31 de julho, segundo o viúvo da vítima, o advogado João Honofre Acosta, 44 anos. A mulher fez exames e foi medicada, mas nos dias seguintes teve falta de ar e foi para o Hospital Evangélico de Dourados, onde ficou recebendo oxigênio.

Nos dias seguintes, a filha do casal, Juliana Arestimino Acosta, 12 anos, fez exame e foi constatado que ela teve o vírus, mas já estava livre de risco, pois o mesmo não teria ação no organismo.

João acredita que a esposa foi medicada corretamente, mas a morte não pôde ser evitada porque eles buscaram o posto de saúde dias depois dos sintomas e nenhum deles havia tomado a vacina. Nós erramos de tomar a vacina antes, esse foi o problema. A a gente não se preocupou com isso antes”, disse.

Quadrilha é presa acusada de roubo a joalheria; funcionária é suspeita
Uma quadrilha formada por 10 pessoas foi desarticulada pela Polícia Civil de Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, após investigações de roubo a ...
Detentos são flagrados com celular cheio de vídeos de sexo com criança
Agentes penitenciários encontraram um celular contendo cenas de sexo com uma criança, na cela onde estão presos Luis Felipe Barbosa dos Santos, 19 an...
Dupla rende funcionários de mercado e foge levando carro e dinheiro
Funcionários de um supermercado localizado no centro de Três Lagoas, distante 338 km de Campo Grande, foram rendidos por dois bandidos armados. Viole...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions