A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

16/11/2016 09:04

Barcaças se soltam durante temporal e ameaçam ponte sob o rio Paraguai

Renata Volpe Haddad
Barcaças estavam vazias no momento do temporal, e subiram a correnteza, com a força do vento. (Foto: Divulgação)Barcaças estavam vazias no momento do temporal, e subiram a correnteza, com a força do vento. (Foto: Divulgação)

Os ventos de até 67 km/h que atingiram Corumbá, distante 419 km de Campo Grande, na manhã de ontem (15), fizeram com que barcaças vazias, que estavam amarradas nas árvores se soltassem e batessem em um pilar próximo à ponte do rio Paraguai.

Veja Mais
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Condutor abandona veículo carregado com 800 kg de maconha na BR-163

O engenheiro coordenador da concessionária Porto Morrinho, André Garcia, explica que, como essas barcaças são grandes, elas precisam ser desmembradas para passar por baixo da ponte. "Ontem, eram 12 barcaças e o empurrador na hora do temporal, estava passando embaixo da ponte com quatro, ou seja, duas de cada lado, enquanto amarrou as outras nas árvores, para pegar depois".

As barcaças encostaram, mas não danificaram a estrutura da ponte. (Foto: Divulgação)As barcaças encostaram, mas não danificaram a estrutura da ponte. (Foto: Divulgação)

Como os ventos foram muito fortes, fez com que as barcaças subissem o rio, ou seja, foram contra a correnteza. "Se estivessem carregadas, talvez isso não tivesse acontecido. Mas, apesar do susto, essas barcaças não chegaram a encostar na ponte".

Casos como esse, são recorrentes no rio Paraguai. De acordo com o Almirante Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar, Comandante do 6º Distrito Naval, acidentes com embarcações seriam evitados se existisse um dolfin, estrutura que protege a ponte.

"Essa ponte foi construída há 20 anos e não fizeram um dolfin, que serve justamente para proteger acidentes com embarcações. A Marinha é responsável pela segurança da navegação nos rios, mas uma lei foi criada para que evitasse esse tipo de acidente e agora, é necessário desmembrar as barcaças para que elas possam passar por baixo da ponte", explica.

Como não há uma estrutura para amarrar as barbaças, os navegantes que realizam o trajeto do rio Paraguai, acabam amarrando em árvores. "Precisa de uma estrutura para isso, falta uma obra do governo federal, para solucionar esse problema antigo".

Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Sidrolândia comemora aniversário com 'balada cristã' e jogos do Operário
Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande - completa no domingo (11) 63 anos de emancipação e vai receber várias atrações para comemora...
Mesmo algemada, mulher usa isqueiro e coloca fogo em viatura policial
Elaine Cristina da Silva de 37 anos foi presa na noite de ontem (8) em Sonora, distante 364 km de Campo Grande, por porte ilegal de arma. Porém, mesm...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions