A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

22/06/2012 13:23

Cheia do rio Aquidauana desabriga famílias ribeirinhas

Elverson Cardozo
Nível do rio Aquidauana chegou a 7,57 metros nesta sexta-feira. (Foto: Odenir Xavier)Nível do rio Aquidauana chegou a 7,57 metros nesta sexta-feira. (Foto: Odenir Xavier)

As fortes chuvas que cai em Mato Grosso do Sul desde a última terça-feira (19), também chegou a Aquidauana, município distante 135 quilômetros de Campo Grande. O rio, que leva o mesmo nome da cidade, está acima do seu nível normal. A enchente já desabriga algumas famílias ribeirinhas.

Veja Mais
Europeus querem boicote à soja por genocídio indígena, diz deputado
Corpo encontrado em rio é de trabalhador que desapareceu no domingo

A prefeitura de Aquidauana informou que hoje (22) pela manhã, na região central, nas proximidades do antigo Clube Feminino, algumas famílias foram retiradas com auxílio de caminhões da gerência municipal de obras e serviços urbanos.

A situação mais alarmante é no Bairro Guanandy, região do campo de futebol do Baixadão. O gramado amanheceu embaixo d’água. Na Ilha dos pescadores, apenas duas famílias haviam sido retiradas. Uma residência foi desocupada e os moradores levados para casa de parentes.

A gerência de educação colocou a quadra coberta da escola municipal Rotary Clube e a todas as dependências do prédio à disposição dos desabrigados.

Durante a manhã o prefeito Fauzi Suleiman (PMDB) visitou os pontos mais críticos, acompanhando pelo vice-prefeito Vanildo Neves e pelo gerente de obras e serviços urbanos, Osnei Meireles dos Santos.

Nível do rio – A Defesa Civil municipal monitora o nível do rio Aquidauana desde ontem, quando a régua marcada 5,3 metros. Hoje, o nível chegou a 7,57 metros, situação que deixa as autoridades em estado de alerta.

Segundo a prefeitura, até às 10h desta sexta-feira, a alta registrada no rio Aquidauana foi de 20 centímetros.




Antigamente, os homens respeitavam os "signos da natureza". Onde haviam marcas de cheias, ninguém construia. Hoje em dia, nem mesmo o poder público se importa com as áreas de preservação permanente. Em Aquidauana, todo ano em que há enchentes o velho Aquidauana volta a requerer seu leito maior. E tem gente que reclama de tudo, da chuva, do rio... menos, de sua própria ignorância.
 
Leoney Barbosa em 23/06/2012 11:29:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions