A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

21/08/2013 11:05

Cigcoe retirou 6 famílias de fazenda e número deve chegar a 30 ainda hoje

Aliny Mary Dias
Despejo começou na madrugada de ontem e segue durante a semana (Foto: Dourados Agora)Despejo começou na madrugada de ontem e segue durante a semana (Foto: Dourados Agora)

Da madrugada de ontem até às 10 horas desta quarta-feira (21), seis famílias que viviam em lotes comprados de forma irregular foram retiradas da Fazenda Santo Antônio pela tropa de choque da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais). As ações em Itaquiraí, a 410 quilômetros da Capital, fazem parte de cerca de 50 ordens de despejo expedidas pela Justiça Federal.

Veja Mais
Com 110 liminares de despejo, Cigcoe começa retirar famílias de fazenda
PF apreende 60 kg de cocaína e prende traficante de 28 anos na MS-164

Segundo a assessoria do Incra (Instituto Nacional de Colonização Agrária), até o fim do dia, a expectativa é que 30 famílias sejam retiradas da propriedade. Caminhões foram enviados para os locais e as famílias podem escolher o destino entre Itaquiraí e Naviraí.

Muitas famílias resistiram às ordens encaminhadas pela equipe composta por dois oficiais de Justiça, servidores e um Procurador Federal do Incra. A polícia precisou intervir para a retirada das famílias.

No fim da tarde de ontem, houve um protesto com a participação de 80 pessoas que compraram lotes irregulares e já haviam sido notificadas do despejo.

Ao todo, 110 liminares foram concedidas pela Justiça depois do pedido de 350 despejos feitos pelo órgão em todo o Estado. A próxima cidade a receber as ações será Ponta Porã onde fica localizada a Fazenda Itamarati, a data ainda não foi definida porque depende do andamento dos despejos em Itaquiraí.

Em Itaquiraí, a fazenda alvo da ação é a Santo Antônio que possui 28 mil hectares e mais de 1,1 mil famílias assentadas. Segundo o Incra, muitas famílias compraram o lote de forma irregular em 2010 e corriam o risco de despejo.

Com 110 liminares de despejo, Cigcoe começa retirar famílias de fazenda
Após pedido do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) de Mato Grosso do Sul, a Justiça Federal expediu, no início deste mês, 110...
Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Será lançado na próxima terça-feira (6) em Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - o livro "A Felicidade pela Literatura: Ensaio entr...
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...



muitos pais de familia que depende dessa area para sobreviver sao despajadas de forma deshumana esse e nosso brasil ea nossa justica que vergonha de ser brasileiro.







 
jeferson rizo em 23/08/2013 20:06:49
boa tarde,bem eu acho q muitas pessoas venderam as suas propriedades por que nao tinha condissao para tocar ,eu morava no assentamento santo antonio ,meus pais mora la ,so q eu tem uma opniao estas ,pessoas que venderam suas terras fez errado ,por que ja estava avisado ,que nao podia vender e nem comprar ,eles disiam q nao dava nada q o incra e todos os bonzoes da boca so disia isso pra fazer medo para ninguem vernder seus lotes.o incra so prometeu construir suas casas mas ate hoje nao construiu ,muitos vivem debaixo de lona ,e os q tem uma cazinha de madeira eh os q tinha condicoes.outra coisa muitas pessoas iam na rezerva com motor serra e destruiam a mata ,etc. sefor para dizer tudo o q sei iria atarde toda , tomara q o incra toma vergonha e constroe as casas para os assenta dos ,
 
tharles da silva em 23/08/2013 13:59:53
essas pessoas que estão sendo despejada de seus lotes foram beneficiada pela reforma agrária e estão sendo injustiçadas por um erro do Incra que ate agora não obtiveram nenhum projeto de reforma agrária nem o beneficio pra a construção de suas casas foram repassado a eles alguns tem que sair para trabalhar e trazer comida para seus filhos pq sem nenhum beneficio do governo estão sobrevivendo em cima da terra e o Incra ao invés de ficar fazendo vistoria não regularizou os projetos para que essas família não tivesse que sair para trabalhar fora e pudesse trabalhar dentro da propriedade pq mesmo sem beneficio do governo e um assentamento modelo que gera renda pq não avalia a situação primeiro antes de cometer essa barbaridade estou indignada se o próprio Incra estava envolvido nas venda
 
marcia berto em 22/08/2013 23:59:30
É UMA SITUAÇÃO DELICADA POIS ESSAS FAMÍLIAS QUE ESTÃO SENDO DESPEJADAS ERRARAM NO MOMENTO EM COMPRARAM AS TERRAS FEDERAIS POREM ESTÃO LA CULTIVANDO E VIVENDO DA TERRA ALI PESSOAS EMPENHARAM ECONOMIAS DE UMA VIDA INTEIRA PARA TER UM PEDAÇO DE TERRA E AGORA ESTÃO SENDO COLOCADOS PRA FORA SENDO Q ESTÃO PRODUZINDO E OS Q Ñ VENDEM E TBM Ñ PRODUZEM ESSES QUE DEVERIAM SER DESPEJADOS Ñ QUEM ESTA ALI FAZENDO JUS A REFORMA AGRARIA! AGORA LANÇO UMA PERGUNTA NO AR E OS QUE VENDERAM Ñ TERÃO PUNIÇÃO POIS COMETERÃO UM CRIME TBM POIS VENDER TERRA FEDERAL É CRIME!!! ESSE É O BRASIL DE TODOS MINHA GENTE!!!
 
BRUNA LEAL em 22/08/2013 23:55:44
Quem conhece esses assentamentos sabe que mais da metade dos assentados estão irregulares, por dois motivos: ou não trabalham e vivem às custas dos inúmeros benefícios sociais do governo, ou obtiveram as terras de forma fraudulenta em nome de terceiros por não preencherem o perfil para o recebimento dos lotes.
 
Adriano Roberto dos Santos em 21/08/2013 12:18:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions