A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

28/10/2016 09:57

Em greve há quatro dias, servidores da UFGD fazem piquenique em praça hoje

Paralisação ao governo por congelamento dos gastos começou segunda e pode prejudicar alunos no início do segundo semestre

Helio de Freitas, de Dourados
Servidores da UFGD estão em greve desde segunda-feira (Foto: Divulgação)Servidores da UFGD estão em greve desde segunda-feira (Foto: Divulgação)

Em greve há quatro dias, técnicos administrativos da UFGD (Universidade Federal a Grande Dourados) fazem um piquenique às 16h de hoje (28) na Praça Antonio João, área central de Dourados, cidade a 233 km de Campo Grande. O comando de greve pediu que os funcionários levem lanche, cadeiras e tereré para a praça, para comemorar o Dia do Servidor.

Veja Mais
Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento

A greve é um protesto dos servidores da maior universidade pública do interior de Mato Grosso do Sul à PEC 241, já aprovada em segunda votação na Câmara dos Deputados e que ainda será votada no Senado.

A proposta, encaminhada pelo governo Michel Temer, limita os gastos federais e pode deixar servidores sem reajuste, além de reduzir concursos públicos. A greve dos técnicos administrativos das universidades federais ocorre em todo o país.

“Essa PEC não é simplesmente o congelamento dos gastos públicos. É a própria redução dos serviços públicos gratuitos existentes, como saúde, educação e assistência social, que hoje são disponibilizados para a população”, afirma o comando de greve.

Cleiton Rodrigues, coordenador geral do sindicato dos administrativos da UFGD, disse que a greve pode afetar o início do segundo semestre letivo, que ocorre no dia 3 de novembro. Por causa da greve de administrativos e professores, no ano passado, o calendário acadêmico está atrasado.

“O vestibular não deve ser afetado, pois a universidade contrata várias pessoas de fora para aplicação das provas. O que pode ocorrer é atrasar a matrícula agora para o segundo semestre. Embora a matrícula seja online, os acadêmicos não podem ter pendências alguma no sistema”, afirmou Cleiton.

Dos mil servidores que trabalham na universidade e no HU (Hospital Universitário), pelo menos 30% aderiram à greve, que afeta acesso e assistência nos laboratórios, empréstimos nas bibliotecas e solicitações de documentos nas secretarias.

Para a população, a paralisação restringe o atendimento em geral de informações e até de solicitação de serviços. “Também pode impactar no atendimento no HU, principalmente novas internações e cirurgias eletivas”, afirmou Cleiton Rodrigues.

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions