A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

06/08/2013 21:22

Em véspera de reunião em Brasília, índios protestam em Sidrolândia

Viviane Oliveira
Cerca de 300 índios protestaram contra a demora no anúncio das soluções do governo para acabar com os conflitos. (Foto: Regis  Cotting / SidrolandiaNews)Cerca de 300 índios protestaram contra a demora no anúncio das soluções do governo para acabar com os conflitos. (Foto: Regis Cotting / SidrolandiaNews)

Cerca de 300 índios terena da reserva Buriti protestaram durante uma passeata na tarde desta sexta-feira (6), em Sidrolândia, distante 71 quilômetros de Campo Grande. Eles querem uma resposta do Governo Federal que garanta a compra dos 15 mil hectares e um cronograma para resolver o impasse no restante do Estado. 

Veja Mais
Prontos para reunião, índios e fazendeiros prorrogam trégua
Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia

Depois da tensão de maio, com a fazenda Buriti, em Sidrolândia, invadida por terenas e a morte do índio Oziel Gabriel, 35 anos, durante ação de reintegração de posse, junho foi marcado pela visita de ministros e o anúncio de uma trégua até ontem, quando deveria ter sido realizada reunião para apresentar uma solução para acabar com o conflito de terra na região. 

As lideranças indígenas não antecipam os próximos passos da mobilização, caso o desfecho da reunião em Brasília não traga uma solução para a questão da demarcação de terra, porém não descartam ocupar novamente as áreas reivindicadas por eles. “Se não demarcarem, vamos marcar a terra por nossas próprias mãos, chega de sofrimento”, diz o cacique Ageu Reginaldo Terena. (Com informações do site Região News)

Terenas e guaranis - Reivindicada pelos terenas, a terra indígena Buriti fica localizada entre os municípios de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti. Em 2001, a Funai aprovou o relatório de identificação da área de 17 mil, sendo dois mil já demarcados.

No mesmo ano, fazendeiros recorreram à Justiça para anular a identificação antropológica. Em 2004, decisão judicial foi favorável aos produtores. Dois anos depois, com nova decisão no TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), a terra voltou a ser reconhecida como indígena.

Somente em 2010 o Ministério da Justiça declarou que a área pertencia aos terenas. Os próximos passos seriam a demarcação física da reserva e homologação da presidente da República. No entanto, no ano passado, o processo voltou a ser suspenso por decisão judicial favorável aos fazendeiros. Segundo os índios, a população chega a 6 mil pessoas, distribuídas em nove aldeias.

De acordo com o representante da CNPI (Comissão Nacional de Política Indigenista), Anastácio Peralta, das 53 áreas em litígio, 37 são relativas aos guarani-caiuá. “São 18 municípios e 60 mil índios”, afirma. Dentre elas, áreas em Antônio João e Paranhos que já foram cenários de conflitos.

Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia
Sofia de Almeida Flores, de 11 meses de vida, morreu na madrugada de hoje (5) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, após ficar ferida em acidente oc...
Homem de 33 anos é morto com golpes de facão e foice em fazenda invadida
Um homem de 33 anos foi morto a golpes de facão e de foice durante uma briga envolvendo índios na fazenda Novilho, município de Caarapó, a 283 km de ...



CENSO IBGE/2010" Índios são menos de 0,5% da população brasileira, mas possuem 12% do território nacional em reservas JÁ DEMARCADAS!!!" /////////////// E querem mais terras pra quê? Se nada plantam nelas, nem o que precisam para comer e dependem do bolsa esmola. O Brasil, celeiro do mundo, produz 186 milhões de toneladas de alimentos em apenas 6% do território nacional, METADE DESSA ÁREA. E dar mais uma área gigantesca para índios é afundar ainda mais a economia de MS.
 
RODRIGO FERREIRA em 07/08/2013 12:20:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions