A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

20/10/2014 07:51

Energisa planeja construir subestação de energia para irrigação de lavouras

Caroline Maldonado
Subestação de energia elétrica vai viabilizar irrigação de lavouras (Foto: Canal do Produtor)Subestação de energia elétrica vai viabilizar irrigação de lavouras (Foto: Canal do Produtor)

A Rede Energisa planeja a construção de uma subestação de energia elétrica para atender a 4.035 hectares da área rural de Chapadão do Sul, 321 quilômetros de Campo Grande. Para apresentar os custos do projeto, representantes se reuniram com produtores rurais e o secretário adjunto da Seprotur (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo ), Pedro Pedrossian Neto.

Veja Mais
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Condutor abandona veículo carregado com 800 kg de maconha na BR-163

A Seprotur não divulgou o orçamento apresentado pela Energisa, mas informou que se aprovado, o valor será custeado em parte pela Energisa e em parte pelos produtores, por meio do FCO (Fundo Constitucional Centro Oeste).

O secretário adjunto disse que o município já tem esgotamento de novas áreas para agricultura, por isso a secretaria apoia o plano que viabiliza a irrigação de lavouras. “Esta é a continuidade de um trabalho feito em julho deste ano no qual nós iniciamos a mediação de um acordo entre os agricultores do município e a distribuidora de energia local”, afirmou Pedrossian Neto.

De acordo com a Seprotur, o Estado tem 35,7 milhões de hectares, sendo 20 milhões utilizados em pastagens e 3 milhões em agricultura. “Do total destinado a lavouras, menos de 1% utiliza pivô central de irrigação, o mais eficiente que existe no momento”, explica o secretário adjunto.

Plano – O projeto é piloto e após implementado em Chapadão, poderá ser ampliado para as regiões de Naviraí, Dourados, Maracaju e Rio Brilhante.

Conforme Pedrossian Neto, a ideia é implementar o projeto em três fases. A primeira é a viabilização da infraestrutura de energia elétrica, por meio da nova subestação. A segunda é a remoção do “gargalo ambiental”, segundo Pedrossian Neto . Será buscada outorga junto ao Imasul (Instituto Ambiental de Mato Grosso do Sul) para uso da água da região e demais adequações ambientais. Por fim, a terceira etapa será o financiamento para a realização do trabalho, com a disponibilização de linhas de crédito para os produtores locais pelo FCO.

“O orçamento apresentado foi muito bem recebido pelos produtores presentes. Eles agora irão deliberar sobre o assunto com os demais irrigantes da região”, afirma o secretário adjunto. A reunião com os produtores ocorreu no dia 13, na sede da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Sidrolândia comemora aniversário com 'balada cristã' e jogos do Operário
Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande - completa no domingo (11) 63 anos de emancipação e vai receber várias atrações para comemora...
Mesmo algemada, mulher usa isqueiro e coloca fogo em viatura policial
Elaine Cristina da Silva de 37 anos foi presa na noite de ontem (8) em Sonora, distante 364 km de Campo Grande, por porte ilegal de arma. Porém, mesm...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions