A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

31/05/2011 17:29

Erraram todos, diz entidade sobre episódio em que agente da PF matou policial militar

Marta Ferreira

Em nota emitida hoje, a AFPF (Associação dos Policiais Federais em Dourados) de Dourados se posiciona sobre o episódio envolvendo o policial federal Leonardo de Lima Pacheco, 38 anos, que matou o policial militar Sandro Morel, 36 anos, e feriu o também PM José Pereira, no dia 8 de maio. Para entidade, houve erros de todas as partes, mas há muitos pontos obscuros ainda a serem esclarecidos.

Os crimes aconteceram após o apartamento de Leonardo ser invadido pelos policiais, acompanhado da guarda municipal Zilda Ramires, 44 anos, com quem Leonardo marcou um encontro pela internet. Na conversa, ele se identificou como policial e Zilda deu a entender que fosse garota de programa e pediu para receber em drogas. Leonardo disse que pagaria em dinheiro e ainda assim a guarda acionou os PMs, alegando que poderia ser feito um flagrante de tráfico de drogas.

Na nota emitida esta tarde, a Associação afirma que, quase um mês após o fato, existe uma série de pontos obscuros em relação ao assunto que precisam ser esclarecidos.

“Afinal, policiais experientes que eram, não poderiam negligenciar questões tão importantes nesse tipo de ação. Foi feito levantamento prévio? É correto levar uma pessoa civil, ainda que informante, para a operação policial?”, indaga a entidade.

O texto prossegue com mais questionamentos: “É correto entrar em uma residência sem mandado judicial? Foi correta a forma de abordagem, com apenas um policial e uma informante, enquanto o outro colega, totalmente alheio ao assunto, ficava na portaria, localização que lhe impossibilitava intervir na ação ou prestar socorro ao colega?

Erraram todos Para a Associação, o episódio teve erros de todos os lados. Ao policial federal, é atribuído apenas um erro, de ter se identificado como traficante.

Na opinião AFPF, porém, só este erro não “causaria toda essa desgraça”, não fosse a sucessão de erros que se seguiu. “Errou a Guarda Municipal, primeiro, ao insistir no pagamento, pelos “seus serviços”, em droga e não em dinheiro, e depois, ao avocar atribuições que não eram suas. Por fim, erraram os Policiais Militares que agiram ao arrepio da Lei e contrariaram todas as regras de segurança e de bom senso.”

O texto fala ainda da necessidade de que o episódio seja tratato investigado sem revanchismo entre as corporações, e diz que não houve corporativismo por parte da PF, “até porque o Inquérito Policial está a cargo da Polícia Civil”.

“Caso fosse necessário “cortar na própria carne”, a Polícia Federal o faria, como tem feito ao longo de sua história, razão pela qual goza de alta credibilidade perante toda a sociedade”, diz a entidade.

Veja a nota na íntegra:

Decorrido quase um mês após o triste episódio que vitimou o Policial Militar SANDRO MOREL, era de se esperar que os ânimos estivessem arrefecidos e que a verdade dos fatos começasse a sobressair. No entanto, embora os acontecimentos e suas causas tenham vindo ao conhecimento de todos, através de ampla divulgação dos detalhes que antecederam a catástrofe, ainda há sinais de desconhecimento de pontos importantes que, quando vistos de forma coerente, ajudam a formar uma opinião menos revanchista e mais serena.

Não cabe mais declarar que “o Policial Federal teria oferecido drogas em troca de favores sexuais à Guarda Municipal, como foi noticiado pela imprensa”, uma vez que o teor da conversa entre os dois foi escancarado à mídia e a qualquer interessado, de modo que não resta nenhuma dúvida de que o que foi oferecido foi uma quantia em dinheiro, a despeito da mulher, que se comportou como garota de programa experiente, ter insistido em receber o valor em drogas.

Não cabe aqui, também, pela sua historia e reputação no seio da sociedade, o temor de que haja “corporativismo” dentro da Policia Federal, até porque o Inquérito Policial está a cargo da Polícia Civil. Caso fosse necessário “cortar na própria carne”, a Polícia Federal o faria, como tem feito ao longo de sua história, razão pela qual goza de alta credibilidade perante toda a sociedade.

No caso específico do Agente Leonardo Pacheco, este goza de toda credibilidade perante a instituição e os colegas de profissão, sendo sua conduta pessoal compatível com o cargo que ocupa.

Quanto à instauração de procedimento administrativo contra o Policial

Federal, vale lembrar que isso é norma prevista na Lei Federal nº 4878, de 03/12/1965, cujo cumprimento é praxe no âmbito do Departamento de Polícia Federal, a exemplo do que deve ocorrer também nas outras duas corporações, já que, tanto a Guarda Municipal quanto os Policiais Militares envolvidos praticaram atos que requerem apuração, no mínimo, no campo disciplinar.

Entretanto, como já dito, isso é assunto interno e que compete à chefia das corporações envolvidas.

Conforme o artigo 5º, inciso XI da Constituição Federal, “a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial”.

A mesma Constituição Federal, no artigo 144, § 4º e 5º , diz que às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares, e às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública. (grifo nosso)

Não o bastante, as resoluções 543 e 545, da Secretaria Estadual de Justiça, vedam a investigação de civis pela Polícia Militar.

Vale ressaltar que a atitude tomada pelo PM Sandro foi criticada, inclusive, pelo outro PM que o acompanhara no desenrolar dos acontecimentos, o qual disse, em seu depoimento, que “não tinha conhecimento da ação do colega e que, se fosse ele, não teria entrado”.

É preciso cuidado para não transformar atitudes desastrosas e isoladas em motivo de animosidade e rivalidade entre entidades policiais que se complementam e cujas atribuições estão bem definidas pela nossa Constituição.

Não podemos nos furtar em ver que o que houve não foi um erro isolado, mas uma sucessão de erros de todas as partes envolvidas e que somente pela sua soma culminou no resultado que todos conhecem. Errou o Policial Federal, ao se declarar traficante, mas esse foi o único erro por ele cometido, e isso jamais causaria toda essa desgraça, não fosse a sucessão de erros que se seguiu. Errou a Guarda Municipal, primeiro, ao insistir no pagamento, pelos “seus serviços”, em droga e não em dinheiro, e depois, ao avocar atribuições que não eram suas. Por fim, erraram os Policiais Militares que agiram ao arrepio da Lei e contrariaram todas as regras de segurança e de bom senso.

Afinal, policiais experientes que eram, não poderiam negligenciar questões tão importantes nesse tipo de ação. Foi feito levantamento prévio? É correto levar uma pessoa civil, ainda que informante, para a operação policial? É correto entrar em uma residência sem mandado judicial? Foi correta a forma de abordagem, com apenas um policial e uma informante, enquanto o outro colega, totalmente alheio ao assunto, ficava na portaria, localização que lhe impossibilitava intervir na ação ou prestar socorro ao colega?

Necessário é que todos nós, policiais de todas as corporações, colhamos os ensinamentos advindos desse triste fato, para que, no futuro, em situações semelhantes, possamos tomar atitudes diferentes e menos desastrosas.

Por derradeiro, e em respeito à memória de Sandro e à dor de seus familiares, é preciso que deixemos de lado opiniões pessoais e aguardemos o desenrolar das investigações, pois sentimentos de vingança não irão devolver a vida que se perdeu nem consolar aqueles que hoje sofrem com a ausência de um ente querido.




É incrível essa nota da AFPF. Até parece que eles leram todos os comentários que aqui postei e deles fizeram essa nota.
Desde o início eu disse que a GM não tinha nada que se envolver com "investigação" e que a P2 não tem nada que se envolver com apuração de crimes de civis. Ela existe é para investigar outros PM's - coisa que pouco ou nada faz.
Quando ao modo de abordagem, qualquer acadêmico de policial (ainda que da "loucademia de polícia") saberia que não se aborda um "traficante" da maneira como fizeram.
Infelizmente, o grave erro do PM lhe custou a vida.
Que isso sirva de lição, e que essa morte não tenha sido em vão. e que desde agora, sigam essas dicas:
1 - Guarda municipal é para cuidar do patrimônio público municipal e para multar carros e assim justificar seu salário.
2 - P2 é para investigar - e a fundo - a banda podre da PM.
3 - Abordagem à meliantes - por mais inocente que ele possa parecer - deve ser feito com mais de um policial.
4 - Jamais dê crédito a conversas de internet.
 
Josafá Rodrigues em 01/06/2011 09:00:07
Na realidade existe algo muito usado pela magistratura, ou seja, por aqueles que julgam, chamado principio da razoabilidade, em linhas e vias transversas, querem transliterar esta letra de Lei em um ensinamento compativel com nossas atitudes cotidianas, nos dizendo que a virtude esta no meio, nem muito, nem pouco, mas o razoavel, e cite se como exemplo este caso, por mais escabroso que fosse tal conversa cibernética, se a agente patrimonial resguardasse se em deixar tal dialogo recolhido somente a tela de seu computador e se portasse como uma pessoa de bom senso, velando se do saber que na ''REDE'', o que é, pode nao ser, e o que nao e pode ser, jamais os freios deste carretel de desfechos tragicos seriam desacionados, mas a tal agente patrimonial, instigou se em fazer parte do cla dos ''homi brabao do andre puccinelli'', nao se recolhendo a insignificancia propria.
E a resenha disto, sao duas instituicoes manchadas, uma Municipal e outra Estadual, uma vida ceifada, uma carreira estragada e a poderosa Federal, nem o trabalho das condolencias e notas de esclarecimento ao Estado e a sociedade, deu se de fazer.
E o PF Leonardo, deve estar agora la em BH junto sua familia, comendo um bom queijo de minas.
 
Gustavo Cesar C. Gonçalves em 01/06/2011 08:39:16
se o PF falasse que era policial federal, os pms e a tal prostituta não iriam na casa dele, e ele estaria se espondo como PF, mas acho que foi na ganância da garota de programa e dos policiais em apreender drogas , para usar ou vender, só Deus sabe a intenção deles,
e o PF se apresentando como traficante, não iriam aparececer bons individuos para se relacionarem, mas se fossem invadir a minha casa, ainda que armado, eu iria agir como o PF, estou do lado do PF, e não sou policial.
 
henrique oliveira em 01/06/2011 08:21:54
Todos os acontecimentos ocorreram de acordo com a lei,a guarda municipal não estva fardada, denunciou como cidadã comum,o batalhão da PM sabia da operação foram informados, como todos nós deveriamos fazer, agora eu percebo como anda o grau de sensacionalismo da população, as pessoas acham certo tirar vida de pessoas inocentes, nenhuma vida pode ser pagada um preço dessa maneira, se erraram beleza, mas pq o PF não se identificou tbm, se rendeu, tenho a devida certeza que o Morel se identificou como policial, e pq também o PF saiu correndo atrás da Guarda Municipal para mata-la também, sendo que se a mesma não se escondesse ele teria matado, mataria todos, agora se o PF morre seria outra coisa né, ai os Militares seriam ao extremo arrancado da sociedade serião tratados como bandidos, mas PF é PF , tem poder esse truculentos, abusadores de poder, se acham estar acima de tudo e de todos !
 
Lucas Mattos em 01/06/2011 08:20:27
Isto é historia de porcos. Onde tem porco so tem porcaria.
 
Gilberto DIAS em 01/06/2011 08:15:19
Para mim, a policia militar deveria investigar mais sobre o assunto de a guarda municipal fazer papel de "policial" se opapel dela é fabricar multas. Nas horas vagas ela pelo visto ganhava a vida de outra maneira.
Outro ponto é que eles foram à casa do policial federal com que intúito, se não comunicaram os superiores e nem estavam com uma ordem judicial, queriam o que desse "suposto traficante"? Acerto ou prende-lo? Pois fizeram tudo ao contrário do que lhes foi passado nos cursos na academia da polica. Se batem em minha porta, e me sinto ameaçado, com uma pessoa com uma arma na mão, certamente se estiver chanche me defenderei é a lógica. E vamos falar bem sério, se essa guarda tivese colocado a foto verdadeira dela na net, com certeza teria evitado tudo isso, pois o PF com certeza não iria aceitar o encontro.
 
Kamél El Kadri em 01/06/2011 07:54:53
João Vitor não podemos em um caso isolado , estarmos colocando a policia militar em seus concurso ; seus concuso e de grande gretibilidade , se vc não sabe a policia militar uma grande academia de formação e grande entrutores , por isto não podemos jugar sem conhecimento de causa obrigado.
 
Isaias Vieira em 01/06/2011 07:30:04
Acordem pessoal.
Não ouve operação policila, o que ouve foi acerto de contas ou orgia.
NInguem faz uma operação dessa forma.
Cadê o Mandato?
Pq a PM nao foi ferida?
Pq o segundo PM estava na portaria?
Os 4 estavam no apto e discutiram e alguem sacou a arma.
E como o velho oeste, vive o que melhor atira. O covarde correu, e a prostituta sempre é poupada.
Pq não busquem o historico dessa pilantra na GM?
 
Carlos Eduardo em 01/06/2011 07:16:10
Creio que o PF cometeu grave erro com a sociedade e é sim, ao lado da GM, o maior responsável pelos fatos. Será que ele se identificou como traficante à-toa. Ela é testemunha de que os PM se identificou como policial. E este, estava sim atendendo uma chamada via 190, como determina as ações da PM, que seria de flagrante de tráfico. O PM errou na forma de abordar. O PF além de errar se identificando como traficante, se realmente não era, errou ao não respeitar a PM. Como é de costume os PFs fazerem. Acham que a lei não é para eles. Acham que não devem respeitar PMs e PCs, sempre se acham superiores a sociedade como um todo.
Os que erraram devem pagar na medida de seus erros.
Quanto ao inquérito estar na PC nada quer dizer, pois, haverá pressão para que tudo saia da melhor maneira possível para a PF e o PF. A começar pela designação de uma pessoa para acompnhar os trabalhos da PC. E como desejam, a PC e a PF, poderá haver um lamentável jogo de camaradagem.
 
Luis Carlos Bravo em 31/05/2011 11:16:42
Para o João Vitor: Ter concluido Grau Superior não significa ser inteligente. Pois conheço PM e PF que possui ensino superior e são piores que os Policiais que tem apenas o Ensino Médio, pois muitos nem sabem sequer preencher Auto de Infrações ou fazerem um BO, haja vista que já recebi diversos BO que dá vergonha do que está escrito, com muitos erros de acentos, faltas de letras etc. Mas conheço PM que tem o Ensino Médio e dá SHOW em competência, honestidade e acima de tudo respeito ao cidadão. Portanto meu caro, há Profissionais capacitados sim na PM ou na PF que tem apenas o Ensino Médio. Vejo exemplo de Escrivão que tem que ter Curso Superior que faz vergonha pelos erros que consta nas intimações que fazem nos depoimentos das pessoas que precisam depor, para qualquer tipo de investigações ou denúncias. Leiam as intimações que recebem até dos Foruns, que todos são digitados por Estagiarios que já estão cursando Direito ou Servidores que são Concursados e na maioria são pessoas que fizeram Curso Superior etc. Abraços...
 
AILTON RODRIGUES BAIRROS em 31/05/2011 11:00:22
todos erraram sim, é fato. mas equivoca-se a PF ao atribuir ao agente apenas um erro, o de identificar-se como traficante...é provavel entao q no treinamento dado pela ilustre instituição seja apregoado que a reação adequada a uma invasao de domicilio é descarregar a arma no sujeito...
 
Luzia Souza em 31/05/2011 10:44:24
João Vitor, nível superior para concurso de policiais militares não quer dizer mais eficiência na polícia, fosse assim muitos policiais civis não seriam o que são, "bando de despreparados", até o mesmo o policial federal que é formado em curso superior, estava na internet se passando por traficante e a procura de sexo.
 
João Paulo da Silva em 31/05/2011 09:29:13
É lamentável o ocorrido. Mas, realmente, diante dos fatos somos conduzidos, na análise, a identificar erros primários. Vejam, sendo o morador do imóvel um policial federal, não seria de certa forma fácil verificar sua identidade profissional?
Por certo que, se os PM2, por cautela, buscassem junto ao proprietário, ou, até a imobiliária, ou quem sabe consultando o síndico do prédio, saberiam de quem se tratava o morador.
Por certo que esta constatação evitaria toda a desgraça.
Sinceramente, no sou policial, mas, imagino que qualquer um, inclusive os PM2, se tivesse a sua casa invadida por pessoa armada, por certo que agiriam da forma que agiu o policial federal.
Espero que este caso evite novos desastres como este. Pois, o resultado final do processo não irá retirar do coração dos parentes a dor da perda.
 
José da silva em 31/05/2011 08:18:18
Infelizmente o PM que morreu não pode se defender e fica à mercê de todo tipo de insinuação. Fica aqui a constatação que os policiais federais, através de sua entidade portam-se - como sempre- com a arrogância e prepotência habituais, como se fossem profissionais exemplares, à toda prova. Nós, que pagamos vossos salários, não vamos permitir que a justiça não cumpra o seu papel: condenar o PF que se travestiu de traficante e tirou a vida de um pai de família. Chega de hipocrisia e de endeusamentos!!!!!
 
João Batista de Freitas em 31/05/2011 08:03:17
Imagina só que coisa, uma guarda municipal pensando que é policia. Gente! guarda municipal. Agente carcerário, agente educador, agetrã segurança patrimonial . Não são policia, somos reles servidores concursados, se nem as altas autoridades não estão nem um pouquinho preocupados com a nossa segurança, agora uma guarda municipal vai querer salvar Dourados , logo Dourados!
 
MARCO ANTONIO DE OLIVEIRA em 31/05/2011 08:01:18
JOAO VITOR.... você é um "acéfalo".... já que é tão estudado, procure num dicionario o significado.
 
SEBASTIAO SANTOS em 31/05/2011 07:39:54
bela nota da PF.... eles não tem policiais corruptos e nem tampouco traficantes no meio deles... a matéria apresentada HOJE, no jornal da BAND dizendo que foi presa uma quadrilha formada por policiais federais, dentre eles um preso acusado de SER TRAFICANTE, deve ser uma materia falsa. O jornal da band tambem inventou que eram policiais federais que estavam extorquindo donos de postos e vendendo drogas... a PF é uma instituição como outra qualquer, cheia de podres tambem...
 
SEBASTIAO SANTOS. em 31/05/2011 07:36:55
tem que ferrar com a guarda municipal , ela e garota de programa e causou uma morte , isso e muito serio. ela e a unica culpada.
 
carlos sales em 31/05/2011 07:31:30
QUE PAI DE SANTO FALOU ISSO........
 
GILMAR CANDIDOG em 31/05/2011 06:53:35
Por isso que eu falo lugar de Quarda Municipal é cuidar do patrimonio Publico ñ ficar querendo dar uma de policia,agora pensa já imagino esses Quardas municipal daki armados?ai vamos ver + desgraça aindaaa.....
 
EDSON PEREIRA FREITAS em 31/05/2011 06:50:05
"nos quartéis-lhes ensinam antigas lições". (Geraldo Vandré)
 
SEBASTIÃO CUNHA em 31/05/2011 06:35:38
Todos erraram, principalmente a guarda municipal, agora imagina um PF dentro de sua própria casa, marca um encontro com uma garota da net e ela chega com um cara a paisana e com revólver na mão? O que acha que um PF ou até mesmo um SER armado dentro de ksa faria? Proteger seu patrimônio e a sua integridade, ainda mais PFS que tem treinamento para qualquer circunstancia, houve negligencia do PF, mas houve muito mais negligencia da parte dos PMs, o pivô disso tudo é a GM, ela teria que responder td isso. Simplesmente por causa dela, acabou com a vida do PF e dos PMs e das 02 famílias, mas como foi dito.
 
Sergio Carlos em 31/05/2011 06:29:20
Srª Carmen quem começou tudo foi na hora que o federal disse que era um traficante, se ele tivesse um pouco mais de cautela já que recebe um bom salário para "proteger" nunca teria dito que era um traficante e esta história não teria tido este desfecho trágico.
 
Leandro Goncalves em 31/05/2011 06:28:40
Ótima colocação da PF, todos erraram, porém a guarda municipal muito mais, se o Leonardo não tivesse na internet procurando umas "saidinhas", já que o mesmo é casado, nada disso teria acontecido, isso que dá confiar nas "amizades" virtuais...
 
Camila Fernandes em 31/05/2011 06:24:15
é com pesar que afirmo o erro pelos policiais e a guarda municipal que foram até o apartamento do PF, não havia um mandado para entrar na casa e não foi comunicado ao superior imediato. Cometeu-se o erro. E ao comentário do Joao Vitor, a Policia Militar tem sim salário digno e com boa formação a cada graduação.
 
claudemir sanguina marques em 31/05/2011 06:22:57
Pra mim a guarda municipal que começou tudo, ela chamou os PMs, falou que tinha acontecido pelo MSN os PM confiaram nela (de forma errada) que fizeram a coisa errada, pra mim esta guarda municipal que foi querer mostrar serviço que causou tudo
 
carmen lucia em 31/05/2011 06:19:59
Em primeiro lugar meus sentimentos aos familiares do policial.Agora um Pm que vai naconversa dessa companheira da guarda municipal que não deveria ficar na rede procurando sarna, fala se de tudo na Rede nós é que devemos secionar.Outro ponto é que se o Pm faz parte da informação,deveria repassar a mesma ao seu superior que estaria pronto a deslocar uma viatura com policiais fardados dentro da lei.As vezes a vontade do ato de bravura da nisso,e agora......................
 
luiz carlos em 31/05/2011 05:55:28
É no que dá abrir concurso para a PM com exigência apenas da conclusão do ensino médio, pagando baixo salário e sem dar à corporação o devido preparo que o cargo exige.
 
João Vitor em 31/05/2011 05:49:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions