A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

20/02/2013 13:37

Fazendeiro confessa ter assassinado adolescente indígena em Caarapó

Viviane Oliveira
O adolescente foi encontrado morto com um tiro na cabeça. (Foto: Sidnei Bronka)O adolescente foi encontrado morto com um tiro na cabeça. (Foto: Sidnei Bronka)

O Fazendeiro Orlandino Carneiro Gonçalves, de 61 anos, confessou ter atirado no adolescente guarani-kaiowá, de 15 anos, Denílson Barbosa. O Corpo do jovem, morador da aldeia tey’ikue, em Caarapó, cidade distante 283 quilômetros de Campo Grande, foi encontrado no último domingo (17), em uma estrada vicinal que separa a aldeia de algumas fazendas.

Veja Mais
Após adolescente ser achado morto, índios invadem fazenda
Advogada de fazendeiro suspeito de matar índio diz que ele vai se apresentar

Segundo o delegado regional de Dourados, Antônio Carlos Videira, o proprietário da fazenda Sardinha se apresentou ontem (19) à noite na delegacia de Caarapó e confessou o crime.

Durante depoimento, o fazendeiro informou que estava só na propriedade quando ouviu os latidos dos cachorros, que correram para a área da lagoa. Ao perceber o movimento, Orlandino disse ter disparado dois tiros.

Para a Polícia, o fazendeiro contou que quando se aproximou da lagoa percebeu que alguém estava ferido. Então ele pegou o garoto, colocou dentro do carro e diz que tentou levá-lo até Caarapó.

No caminho, ele conta que imaginou que estava sendo seguido por um grupo de indígenas e por isso alega ter abandonado o corpo do adolescente na estrada.

"Ele deu a versão dele. Agora vamos ouvir outras testemunhas e apurar as circunstâncias do crime", disse o delegado.

Conforme Antônio Carlos, o fazendeiro que prestou depoimento acompanhado da advogada, Sueli Silva, foi liberado logo em seguida.

A delegada responsável pelo inquérito policial instaurado para apurar o caso, Magali Leite Cordeiro, esteve na manhã de hoje (20) na reserva, acompanhada por investigadores da Polícia Civil e representantes da Funai (Fundação Nacional do Índio) e apreendeu uma arma de propriedade do fazendeiro.




Interessante! Matar indígena, assim como matar no trânsito, dá cadeia mas é coisa pouca, principalmente se a vítima for um 'zé ninguém'.
 
Bruno Silva em 23/02/2013 10:37:01
Essa "justiça" podre, que o cara confessa ter matado um ser humano e sai pela porta da frente. Quando será que isso vai acabar ?
 
Marcos Figueiredo em 20/02/2013 19:14:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions