A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

19/09/2015 15:02

Funai investiga ataque a índios com dois baleados; 3º conflito em MS

Ricardo Campos Jr.

A Funai (Fundação Nacional do Índio) enviou equipes a Paranhos, a 469 quilômetros de Campo Grande, para apurar denúncia de que dois guarani-nhandeva foram baleados por fazendeiros da região. O coordenador do órgão em Ponta Porã, Elder Ribas, diz que as informações sobre o ocorrido ainda estão desencontradas e que os servidores ainda não chegaram ao local para confirmar o fato.

Veja Mais
Índios denunciam tortura e ataque de pistoleiros durante a madrugada
Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia

Segundo ele, moram no local aproximadamente 700 pessoas que reivindicam uma área de quatro mil hectares, cuja demarcação já foi feita, mas não efetivada por conta de entraves jurídicos. A maioria optou em esperar o desenrolar do processo pelos trâmites normais, mas um grupo de 30 indígenas, inconformados com a demora, estaria tentando fazer a retomada por conta, invadindo as propriedades.

Informações da PM (Polícia Militar) apontam que esses guarani-nhandeva invadiram a fazenda Ouro Verde, mataram cinco cabeças de gado e foram baleados quando os funcionários reagiram.

Já os indígenas afirmam que estavam no acampamento quando foram pegos de emboscada por pistoleiros.

Elder foi informado de que uma das vítimas é a liderança Elpídio Pires, que teria sido baleado no abdômen e recusou atendimento com medo de que os produtores o matassem no hospital.

O outro ferido, ainda não identificado, foi atingido na perna pelo disparo e encaminhado a um hospital em Paranhos, onde está internado. Segundo o coordenador, acompanham a Funai agentes da Força Nacional e Polícia Federal.

Violência – Se confirmado, este será o terceiro episódio de violência envolvendo a disputa por terras no último mês no estado. Ontem, guarani-kaiowá da comunidade Pyelito Kue denunciaram ataque de pistoleiros nas proximidades da sede da fazenda Maringá, em Iguatemi, a 466 quilômetros da Capital.

Segundo um deles, cerca de 26 pessoas foram colocadas em caminhonetes e levadas para a beira da estrada, enquanto os demais fugiram para as margens do Rio Jogui. Algumas delas foram torturadas e ficaram com hematomas e cortes pelo corpo.

Eles temem que o ataque tenha sido em represália a uma invasão coordenada pelos indígenas no dia 17, quando seis funcionários da propriedade foram rendidos e mantidos em cárcere privado.

No dia 30 de agosto, Semião Fernandes Vilhalva foi morto a tiros durante um conflito em Antônio João. Os companheiros dele denunciam que até mesmo crianças foram atingidas pelos disparos.

A situação motivou a visita do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Mato Grosso do Sul, repetindo a atitude tomada em 2013, quando uma reintegração de posse terminou em morte em Sidrolândia. Da mesma forma, foi embora sem atitudes concretas e prometeu resolver a questão no diálogo.

Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia
Sofia de Almeida Flores, de 11 meses de vida, morreu na madrugada de hoje (5) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, após ficar ferida em acidente oc...
Homem de 33 anos é morto com golpes de facão e foice em fazenda invadida
Um homem de 33 anos foi morto a golpes de facão e de foice durante uma briga envolvendo índios na fazenda Novilho, município de Caarapó, a 283 km de ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions