A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

17/10/2014 10:34

Funcionários de obra de fábrica denunciam demissão em massa e falta de pagamento

Priscilla Peres
Sindicato foi até um alojamento conversar com os trabalhadores demitidos que denunciaram estarem há mais de 30 dias sem receber a rescisão. (Foto: Léo Lima/Perfil News)Sindicato foi até um alojamento conversar com os trabalhadores demitidos que denunciaram estarem há mais de 30 dias sem receber a rescisão. (Foto: Léo Lima/Perfil News)

O Sintricom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil) de Três Lagoas - distante 338 km de Campo Grande, está investigando sobre a demissão de 2,5 mil funcionários do Consórcio UFN3, responsável pela construção da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobras.

Trabalhadores procuraram o sindicato ontem para dizer que além de ser demitidos alguns estão sem receber a rescisão contratual. O assessor jurídico do Sintricom, Valdisnei Delgado, afirma que até o momento não há provas concretas sobre a demissões, mas que a situação dos funcionários está sendo acompanhada.

Ao site Perfil News, funcionários disseram que cerca de 100 demitidos estão abrigados em um alojamento na área urbana do municípios aguardando o pagamento da rescisão e souberam ontem que houveram novas demissões. “Só aqui nós somos uns cem [trabalhadores demitidos] e estamos à espera do acerto”, contou um alojado, que não quis ser identificado por receio de represálias.

“Existe muita gente alojada em hotéis sem receber pagamento. A rescisão está demorando até um mês para ser paga e depois mais 20 a 25 dias para pagamento da multa”, afirma o advogado Valdisnei Delgado, que irá levar o caso até o MPT (Ministério Público do Trabalho) para garantir que os direitos sejam cumpridos. A Petrobras, responsável pelo Consórcio UFN3, ainda não comentou o caso.

Série de crises - Previsto para inaugurar em setembro deste ano, a abertura da fábrica de fertilizantes foi adiada para o primeiro semestre de 2015, após vários problemas na execução da obra.

Neste ano, empresários acusaram o Consórcio UFN3 de não efetuar o pagamento de seus fornecedores, formando uma dívida de R$ 8 milhões. Após uma série de reuniões, a Petrobras fez um cronograma de pagamento que previa a quitação da dívida até 31 de agosto.

Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...
Quadrilha é presa acusada de roubo a joalheria; funcionária é suspeita
Uma quadrilha formada por 10 pessoas foi desarticulada pela Polícia Civil de Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, após investigações de roubo a ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions