A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

06/05/2013 12:10

Índios mantêm 40 reféns em aldeia; "Estamos em pânico", diz enfermeira

Aline dos Santos

Quarenta pessoas são mantidas reféns por 300 índios na aldeia Porto Lindo em Japorã. O grupo de servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio), Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), professores e policiais foi ao local para participar da 5ª Conferência de Saúde Indígena.

No entanto, os índios logo avisaram que as pessoas seriam proibidas de deixar o local até que Brasília envie um representante.

Na aldeia não funciona celular e a única comunição é por meio do orelhão. Por enquanto, os reféns podem utilizar o aparelho telefônico. Eles devem ligar para Brasília. A reportagem do Campo Grande News conseguiu falar com uma enfermeira da Sesai, que preferiu não relevar o nome para evitar problemas com os índios.

“Está todo mundo em pânico”, afirma. Segundo ela, havia rumores de que os indígenas promoveriam um protesto devido às condições do atendimento. Os índios estão com o corpo pintado e com arcos e flechas. Eles vieram de três aldeias e dois assentamentos.

Numa tentativa de esfriar os ânimos, a programação do seminário prossegue na aldeia. No local, segundo a enfermeira, há seis policiais da Força Nacional de Segurança e dois policiais militares. “Mas acho que ninguém vai tentar sair”, diz. Ela conta que os servidores já estão mais habituados com os índios, no entanto, nunca passaram por essa situação.

Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...
Carreta da Justiça oferecerá serviços a partir do próximo dia 13
Carreta da Justiça, programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que oferece serviços do judiciário de forma gratuita, chegará ao mun...



isso já virou uma bagunça nacional. Onde esta a PF que nada faz? depois um alguém revoltado, manda bala nestes índios arruaceiros e dai vem: Força nacional, Direitos humanos, Governador, e ate o Papa. Isso precisa acabar. Levem estes índios para a Amazônia, é lá a terra deles. Aqui, serão cada vez mais massacrados e excluídos do desenvolvimento das cidades.
 
LUCIANO MARQUES em 06/05/2013 19:32:18
Isso que dá tratar de forma inadequada as questões, ou empurrar com a barriga as contendas. Um dia estoura. Tomara Deus que nada aconteça, mas pegar refém, impedir de ir embora tem que ter prisão como resposta, independente da razão que alegam ter. Mas a lei é branda. E a condescendência tbém persiste.
 
ADRIANO MAGALHÃES em 06/05/2013 16:37:40
Há de se saber que essa terras são imemoriais indigenas é só verificar os vestigios. Infelismente essa ação ocorre pelos inúmeros descaso da saúde para com os mesmo, basta contabilizar o números de mortos, principalmente crianças e o assassinatos de seu lideres. Vá veja e comprove "Terra de Ninguém"
 
Carlos Lamarca em 06/05/2013 16:36:17
E isso que da desapropria terras e da para índios baderneiros, não plantam nada quem conhece essas terras em japorã sabe que so tem cupim nessas terras os índios não plantam um pe de mandioca se quer, ai esta a resposta mais poderia estar refém deles as autoridades que deram brechas para essa baderna...
 
mauro lopes em 06/05/2013 13:33:48
Vamos devolver o Brasil, pois quando o Cabral chegou aqui tudo era deles, estes sujeitos que não fazem nada, não plantam, não gera nenhum produto só conflitos com que realmente produz alimentos para o país e para o mundo.
 
Jaino Rodrigues Matos em 06/05/2013 12:56:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions