A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

30/05/2013 11:10

Índios relatam desocupação violenta e com muitos feridos, diz deputado

Aline dos Santos
Barreira da PF impediu a entrada de jornalistas. (Foto: João Garrigó)Barreira da PF impediu a entrada de jornalistas. (Foto: João Garrigó)

Uma desocupação violenta e com muitos feridos. Segundo do deputado estadual Pedro Kemp (PT), ligado à questão indígena, estas duas informações lhe foram passadas por diversas pessoas, que desde às 10h30, ligam para o seu celular em busca de auxílio.

Veja Mais
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Após deslizamento e risco a usuários, MS-295 é totalmente interditada

“Estou conversando com várias entidades, com o MPF [Ministério Público Federal]. Mas não temos muito o que fazer, é uma decisão judicial. Relataram que estão acontecendo excesso e abusos, quer foi muito violenta”, afirma o parlamentar.

Marcada por confronto entre índios e policiais, a reintegração de posse deixou cinco terenas feridos e um morto. Oziel Gabriel, 35 anos, morreu no hospital beneficente Dona Elmira Silvério Barbosa. 

Os terenas foram levados ao hospital em carros de terceiros e caminhonete da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena).

Bastante nervoso, um indígena, que não quis se identificar, relatou que cerca de 50 policiais federais e da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) chegaram às 6h da manhã. Ele relata que foram pegos de surpresa, pois aguardavam serem intimados da decisão por um oficial de justiça. Os índios resistiram e houve confronto.

A fazenda foi invadida pelos terenas em 15 de maio. No mesmo dia, saiu uma decisão para que os índios deixassem o local. Mas a reintegração não foi cumprida no dia 18 e a decisão acabou suspensa até ontem, quando foi realizada audiência na Justiça Federal. Sem acordo entre as partes, o juiz Ronaldo José da Silva determinou o cumprimento da reintegração de posse.


Os índios reivindicam 17 mil hectares da aldeia Buriti que estão na posse de fazendeiros e que foram identificados em 2011 como terra indígena. A imprensa não teve acesso à fazenda. Um bloqueio com oito policiais armados impediu a entrada dos jornalistas para acompanhar o despejo dos terenas.

Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Justiça bloqueia bens de ex-prefeito e mais oito por fraude em licitação
A Justiça Federal bloqueou R$ 1.743.189,84 em bens de Edvaldo Alves de Queiroz, o Tupete, ex-prefeito de Água Clara, a 198 quilômetros de Campo Grand...



As autoridades mais uma vez são omissas na solução pacífica de conflitos como este. Situação criada por procedimentos irregulares no passado, pelo Estado, na concessão de títulos da terra. Agora colocam a nossa polícia de elite, para retirar os brasileiros(índios) no braço. Brancos, negros, amarelos, pardos, índios(com exceção de algumas tribos no norte do país), devem seguir o rito da Constituição Brasileira. Para complicar ainda mais, assentam nos cargos públicos, que gerem a controversa política de proteção ao Índio, suspeitos, influenciados pelo "glamour" do Velho Mundo. Índio não é bicho, é gente. A política indigenista apresenta traços genocidas, veem não como cidadão de direitos, mas como espécie a ser preservada, colocando em choque culturas que deveriam confluir para a harmonia.
 
valdomiro parron lopes em 30/05/2013 18:34:21
A desocupação só será violenta quando os índios agirem com violência. A Polícia apenas responde uma agressão. Se houve confronto com policiais, é porque os índios não aceitaram sair na base da conversa.
 
André Oliveira em 30/05/2013 16:21:50
ótima reportagem, pena que tem que noticiar morte.
 
WALDORACY ALMEIDA ANTUNES em 30/05/2013 14:42:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions