A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

22/08/2015 10:15

Índios voltam a ocupar fazenda de ex-prefeito e três funcionários viram reféns

Região é palco histórico de conflitos entre índios e fazendeiros e onde há 32 anos Marçal de Souza foi assassinado; DOF informou que resgatou funcionários que foram feitos de reféns pelos índios

Helio de Freitas, de Dourados, e Luana Rodrigues
Área vizinha da Fazenda Primavera, em Antonio João, onde mulher e criança conseguiram se esconder após invasão de índios (Foto: Divulgação/DOF)Área vizinha da Fazenda Primavera, em Antonio João, onde mulher e criança conseguiram se esconder após invasão de índios (Foto: Divulgação/DOF)

Índios voltaram a ocupar uma propriedade no município de Antonio João, a 279 km de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai. A Fazenda Primavera pertence ao ex-prefeito Dácio Queiroz Silva, foi invadida na madrugada deste sábado por pelo menos 40 pessoas. O DOF (Departamento de Operações de Fronteira) informou que três pessoas mantidas como reféns pelos índios foram resgatadas por policiais, mas não houve interferência na ocupação.

Veja Mais
Governo fará oferta de compra de fazendas em conflito em 60 dias
CNJ aponta 9 áreas prioritárias para resolver conflito fundiário em MS

O município de Antonio João já foi palco de vários conflitos entre índios e fazendeiros, principalmente no início dos anos 2000. Entretanto, os confrontos começaram bem antes. Em 1983, o líder guarani Marçal de Souza Tupã’Y foi assassinado próximo à aldeia Campestre.

Dácio Queiroz Silva informou ao Campo Grande News que cinco pessoas estavam na fazenda, o capataz, a mulher dele e três filhos do casal. A mulher e uma criança de oito anos conseguiram correr e pediram ajuda a uma pessoa que encontraram em uma estrada próxima. Depois foram levadas para uma fazenda vizinha, de onde foram removidas nesta manhã por uma equipe do DOF e levadas para a cidade.

O capataz e outros dois filhos teriam sido amarrados e ameaçados pelos índios. Eles foram mantidos sob cárcere na sede da fazenda até a chegada dos policiais, na manhã deste sábado.

“Aqui o litígio não se resolve há 17 anos. Qualquer tentativa de ampliação desta invasão é ilegal”, afirmou Dácio Queiroz.

Índios armados – Em nota, a assessoria de comunicação do DOF informou que os índios entraram na fazenda armados com facas, flechas e armas de fogo. O capataz e os dois adolescentes foram encontrados amarrados e teriam sido agredidos pelos índios. Eles liberados por volta das 5h após a chegada de equipes do DOF.

De acordo com o departamento, não houve nenhum tipo de confronto e as três vítimas foram socorridas pelos policiais, bem como a mulher e a criança, localizadas por volta de 8h por outra equipe do DOF que estava nas proximidades.

Moradores informaram aos policiais que parte dos índios que invadiram a fazenda seria de outras regiões de Mato Grosso do Sul, o que levanta suspeita de planejamento novas ocupações com um grande número de índios até mesmo de outras aldeias.

O DOF informou que suas equipes continuam fazendo patrulhamento na área para evitar confrontos e para resguardar a integridade física tanto de produtores quanto dos índios. Os funcionários da fazenda foram levados para a Delegacia de Polícia Civil em Antônio João, para registrarem o boletim de ocorrência da invasão e por lesão corporal.

Comissão diz que nove áreas indígenas em disputa merecem solução imediata
Nove áreas demarcadas ou em processo de demarcação em Mato Grosso do Sul estão em situação crítica e demandam uma solução imediata do Poder Público p...
Protesto cobra liberação de terra indígena e pagamento para fazendeiros
Indígenas protestaram hoje cobrando a liberação da área Nhanderu Marangatu e a indenização para os fazendeiros. A mobilização foi realizada na estrad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions