A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

15/05/2012 17:11

Índios não impedirão vacinação do gado em terras invadidas, garante Funai

Mariana Lopes
Francisco e Edson garantiram que índios kadiwéus não impedirão vacinação (Foto: Mariana Lopes)Francisco e Edson garantiram que índios kadiwéus não impedirão vacinação (Foto: Mariana Lopes)

A partir de amanhã (15), a Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária e Vegetal) começam a vacinação contra a febre aftosa em Bonito, onde há aproximadamente 2,5 mil cabeças, e em seguida inicia na área de litígio, em terras que foram invadidas por índios kadiwéus em Corumbá e Porto Murtinho.

Veja Mais
Após deslizamento e risco a usuários, MS-295 é totalmente interditada
Justiça bloqueia bens de ex-prefeito e mais oito por fraude em licitação

Segundo o coordenador regional da Funai, Edson Fagundes, nas 13 fazendas que foram retomadas pelos índios, as equipes da Iagro poderão atuar sem qualquer impedimentos dos kadiwéus. “É de interesse deles também que os gados sejam vacinados, não tem porque eles se oporem a isso”, afirma.

Edson explica que o papel da Funai é apenas acompanhar e manter a pacificação durante os trabalhos. “Tanto os índios quanto os fazendeiros estão alterados, mas já conversamos bem com os índios que estão nas terras e não haverá problemas”, diz.

Francisco Matchua, representante dos kadiwéus, disse que após a vacinação os proprietários rurais terão que retirar os gados das terras retomadas. “Se eles não tirarem, a gente vai colocar para fora”, afirma.

Edson também garantiu que os índios não estão armados. “Eles têm as armas deles, como os facões, mas isso até os fazendeiros têm”, pontua. Na área de litígio, segundo dados repassados pelo coordenador, há 10 mil cabeças de gado.

Sobre a audiência marcada para o próximo dia 17, em Corumbá, Edson não quis dar detalhe, disse que está nas mãos da Justiça. Ele comentou apenas que usará como defesa o relatório encaminhado à Funai de Brasília, no qual consta a negativa do emprego de armas pelos índios.

Durante a vacinação, de acordo com Francisco, os fazendeiros ou capatazes poderão acompanhar o trabalho da Iagro. Ainda segundo o respresentante indígena, no momento há 150 famílias nas áreas retomadas, em aproximadamente 160 mil hectares de terra.




quem não gosta dessa poli tica que vem trabalhando sam os indios que maioria das sua terras envadidas pelos fazendeiros, eles tem mais direito que todos nós, que moramos nessa terra, quem não sabe eles são donos da terra, estão muito certo por revendicar suas terras, muitas pessoas são sem cultura, prabens pela sua retomada.
 
jonivaldo alcantara em 17/05/2012 02:39:09
Preparem suas bagagens,malas,passagens e passaportes.Voltaremos todos para a Europa,Ásia,África,etc.Onde não era terra de indio aqui neste país?Os gringos sempre estão certos...
 
Ronaldo Ancél Alves em 16/05/2012 03:10:30
É uma vergonha o que está acontecendo nesse Estado , pois onde ja se viu indio decidir se vai deixar ou não o iagro vacinar, colocando em risco a sanidade do rebanho sul-mato-grossesse e do Brasil e outra coisa o que os indios irão produzir nessas terras , MS não é um estado grande que pode se dar ao luxo de ter milhões de hectares com indios .
 
joaõ garcia em 15/05/2012 07:25:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions