A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

23/09/2014 13:57

Lideranças rejeitam criação de Instituto Nacional de Saúde Indígena

Para o Cimi projeto pretende criar estrutura paraestatal

Caroline Maldonado
Indígenas se reuniram em comemoração de um ano da retomada da Terra indígena de Yvy Katu (Foto: Divulgação/Cimi)Indígenas se reuniram em comemoração de um ano da retomada da Terra indígena de Yvy Katu (Foto: Divulgação/Cimi)

O Governo Federal espera que o Congresso Nacional vote ainda neste ano a criação do Insi (Instituto Nacional de Saúde Indígena). O projeto idealizado pelo Ministério da Saúde em parceria com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão pretende agilizar os processos administrativos e as contratações de profissionais. Segundo o Ministério da Saúde, os 34 Condisi (Conselhos Distritais de Saúde Indígena) estão debatendo o assunto e a maioria apoia o projeto. Mas a ideia não está agradando lideranças de comunidades indígenas de Mato Grosso do Sul.

Veja Mais
Homem morre ao sofrer descarga elétrica durante conserto de bomba d'água
Ciclista morre ao ser atingido por vários tiros disparados por dupla em moto

Segundo o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), mais de 100 lideranças Guarani e Kaiowá se posicionaram contra a criação do Insi em reunião realizada na última sexta-feira (19), em Japorã, a 487 quilômetros de Campo Grande. O MPF (Ministério Público Federal) também se manifestou contra o projeto, ao alegar que vai na contramão dos princípios constitucionais, porque transfere a execução da saúde indígena do SUS (Sistema Único de Saúde) para pessoa jurídica de direito privado, que não faz parte da administração pública.

Proposta – De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, com o novo modelo parte dos profissionais de saúde serão pessoas das próprias aldeias, sendo possível que o próprio Insi forme mais gente entre a população indígena, como profissionais de nível superior e técnicos de saúde que possam assumir a função em suas aldeias.

Conforme o projeto, a Sesai fica com a gestão da Política de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas e vai definir o contrato de gestão do Insi com a especificação do programa de trabalho do instituto, com base nas demandas dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), que aumentarão de 34 para 36. O documento terá a definição de prioridades, metas, prazos de execução e orçamento. A articulação com Estados e municípios para os serviços de média e alta complexidade também ficarão a cargo da Sesai.

Polêmica - Para MPF, o Insi não dá garantia de carga horária diferenciada e os trabalhadores seriam submetidos ao regime geral da CLT, que não prevê especificidade alguma para a prestação de serviços de saúde indígena. O projeto também não assegura a manutenção dos atuais trabalhadores em seus cargos de trabalho.

O projeto permitirá a contratação de funcionários sem conscurso público e aquisição de equipamentos e serviços sem obedecer os trâmites da lei de licitações. O Ministério da Saúde, no entanto assegura que haverá regras, como seleção pública de candidatos e compras que respeitem os princípios da lei atual de licitações.

De acordo com o Cimi, o projeto prevê a privatização da saúde indígena. Segundo o órgão, lideranças indígenas de MS acreditam que o Insi é uma “estratégia de terceirização e privatização que fere diretamente o direito dos povos indígenas a um sistema de saúde específico e diferenciado, ligado ao sistema único de saúde”.

Homem morre ao sofrer descarga elétrica durante conserto de bomba d'água
José Antônio Farias, 51, morreu após sofrer uma descarga elétrica enquanto arrumava uma bomba d'água às margens de uma lagoa, no distrito de Lagoa Bo...
Ciclista morre ao ser atingido por vários tiros disparados por dupla em moto
Wellington Ronaldo de Souza, 34, foi morto a tiros ao ser abordado por dois homens que estavam em uma moto. O homicídio aconteceu às 20h30 de domingo...
Durante briga em lanchonete, homem é esfaqueado e morre a caminho do hospital
Francisco Torales Monteiro, 32, foi encontrado ferido e agonizando em uma lanchonete de posto de combustível por volta de 00h05 desta segunda-feira (...
Pedestre é atropelado e morto por motociclista embriagado e sem CNH
Davi Ezequiel Barreto, 52, morreu atropelado após ser atingido pela moto conduzida por Ednilson de Oliveira, 21, que estava supostamente embriagado. ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions