A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

05/03/2015 13:08

Marcha Pantaneira reúne moradores contra violência nas ruas, racismo e bullying

Caroline Maldonado
Manifestação terminou na rua 15 de Novembro, quando os participantes formaram um grande círculo na via e rezaram (Foto: Diário Corumbaense)Manifestação terminou na rua 15 de Novembro, quando os participantes formaram um grande círculo na via e rezaram (Foto: Diário Corumbaense)

Moradores de Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, participaram na manhã de hoje (5) da 3ª Marcha Pantaneira Pela Paz e Não Violência. O ato estava previsto para 30 de janeiro, que é Dia Mundial da Não Violência, mas este ano, foi incorporado à programação da Semana da Mulher.

A caminhada começou no poliesportivo do município e percorreu as principais ruas da cidade, organizada pelas secretarias de Assistência Social e Cidadania e de Saúde. A ideia, segundo a secretária municipal de Saúde, Dinaci Ranzi, é chamar atenção também para as violências doméstica, racismo e bullying; além de assassinatos e crimes bárbaros. A manifestação terminou na rua 15 de Novembro, quando os participantes formaram um grande círculo na via e rezaram.

“Buscamos levar para toda a população o alerta de que a violência não é da cidade, a violência e das pessoas. Quem faz a violência, seja no trânsito, no clube, no bar, na escola ou no lar são as pessoas, então, esse momento é para que a gente possa refletir e buscar meios de levar a mensagem de paz ao maior número de pessoas possível. Precisamos que todos voltem os olhos para isso e aprendam a ter mais generosidade, solidariedade, empatia, e se coloquem no lugar do outro. Isso evita também muitos casos de violência”, disse Dinaci , em entrevista ao jornal Diário Corumbaense.

Participaram da caminhada crianças e adultos, com camisetas brancas, cartazes e faixas com pedidos de paz. O morador Ernani Ribeiro Lopes, 43 anos, fez questão de participar do ato e lamenta os casos de violência. “Para mim é muito importante como cidadão e também como corumbaense, participar de uma mobilização como essa, porque hoje Corumbá já não é uma cidade tão tranquila como antes”, disse Ernani, ao destacar que é papel dos órgãos de segurança, com o apoio da população, o empenho para combater a criminalidade.

“Essa caminhada é importante para sensibilizar as pessoas que nós estamos vivendo hoje em uma cidade com índices de violência preocupantes. É fundamental uma mobilização como essa, em que pedimos Paz, e isso não depende apenas da Segurança Pública, mas de todos nós, cidadãos, revendo atitudes e ações no dia a dia", comentou Neuza Vargas Dantas, 55 anos.

Indígena de 21 anos é assassinado com facada no peito em aldeia
Um indígena de 21 anos foi morto no início da noite desta sexta-feira (20) após ser atingido com uma facada no peito, na aldeia Amambai, em Amambai -...
Homem com facão faz três pessoas da mesma família como reféns em casa
Três pessoas foram feitas reféns em uma casa na rua Rio de Janeiro, Centro de Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande -, na manhã des...
UEMS recebe a partir de segunda-feira congresso de pesquisadores negros
A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - recebe entre segunda-feira (23) e sáb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions