A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

02/06/2011 09:58

MEC reduz vagas em curso de Direito de MS por baixa qualidade

Aline dos Santos e Francisco Júnior
Segundo Leonardo Duarte, falta empenho dos alunos nos cursos, para bom desempenho. (Foto: Francisco Júnior) Segundo Leonardo Duarte, falta empenho dos alunos nos cursos, para bom desempenho. (Foto: Francisco Júnior)

O MEC (Ministério da Educação) reduziu o número de vagas no curso de Direito da Anhanguera Uniderp em Rio Verde devido à baixa qualidade. Em todo o Brasil, a medida cautelar de suspensão do número de vagas para novos alunos foi aplicada a 136 cursos de Direito, num total de 11 mil vagas.

As graduações obtiveram resultado insatisfatório no CPC (Conceito Preliminar de Curso) 2009. O indicador avalia a qualidade do ensino oferecido a partir da nota obtida pelos alunos no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). Os resultados 1 e 2 são considerados insatisfatórios, o 3 razoável e o 4 e o 5 bons.

O curso da Anhanguera Uniderp de Rio Verde obteve CPP de 1,84. O MEC determinou a redução de 36 vagas, passando de 180 para 144. A redução refere-se ao total de vagas anuais oferecidas em processo seletivo, ingresso de portadores de diploma, transferência ou quaisquer outras formas de inserção de alunos nos cursos de Direito.

No cenário de muitos cursos e baixa aprovação no Exame de Ordem, o presidente da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), Leonardo Duarte, parte para o ataque. “O corpo discente é muito fraco. Não havia preparo. A OAB investigou esse curso há três meses”, afirma sobre o curso alvo da restrição.

De acordo com ele, o MEC solicitou informações sobre outros quatro cursos de Direito em Mato Grosso do Sul. “É preciso mudar a mentalidade dos alunos, com mais leitura. Tudo se reflete no exame da OAB, cuja média histórica de aprovação é de 15%”, analisa.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Uniderp Anhanguera para saber sobre a situação do curso.

Limite -Conforme o secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC, Luiz Fernando Massoneto, o Conceito Preliminar de Curso inferior a três pode comprometer de maneira irreversível a formação dos estudantes, tendo em vista que estes cursos correm o risco de não apresentar melhora e ter sua oferta encerrada.

Conforme o MEC, qualquer resultado satisfatório no CPC referente ao ciclo 2010-2012 restitui as vagas da instituição em sua totalidade.

Segundo o secretário, a intenção é estabelecer um máximo de 100 vagas na abertura de cada curso para garantir a qualidade do ensino.

Na avaliação do MEC, há uma relação entre a má qualidade do curso e o número elevado de vagas ofertadas. Inicialmente a medida vale para o Direito, mas pode ser estendida a outras áreas.

Também está publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União a autorização para o funcionamento de 33 novos cursos de direito, totalizando 4,2 mil vagas. Segundo Massonetto, em entrevista à Agência Brasil, há cerca de um ano o MEC não autorizava a abertura de nenhum curso na área.




Saudades dos tempos de UNAES.
Sou da ultima turma Unaes, do Centro Universitário Anhanguera.
Acho que o MEC deveria tomar medidas mais drásticas contra estas instituições que não atendem o seu objetivo.
Nós é que mais perdemos.
Somos tratados como uma simples mercadoria numa prateleira.
Ggeramos a riqueza para um grupo que não está muito preocupado com o apredizado. Precocupado isso sim com o faturamento.
Fico triste quando, quando vejo bons professores sendo desligados, pois "não atendem" os interesses do negócio.
É um descaso total.
Se o corpo discente é fraco, segundo o ilustre Presidente da OAB -MS, então porque foram admitidos para cursar?
O vestibular não é eliminatório?
Alguém tem notícias de alguns inscrito em vestibular na Anhnaguera que tenha sido eleminado por ser "fraco"?
É simplesmente lamentavel, depois de tudo isso declararar que a culpa é do discente.
 
José Luiz Kreutz em 02/06/2011 12:39:12
É... depois os professores chegam em sala de aula nos "orientando" a não falar mal da faculdade, pq serão nossos diplomas que estarão em jogo... que nada! Cada um mostra no mercado de trabalho quem é quem! E já está em decadência há muito tempo, é que a imprensa e os órgãos públicos não foi lá ainda cobrir a verdade!

Tem dia que não tem aula, professor está com preguiça, dá aula sentado, ou liberam pra assistir a alguma palestra (paga, claro!!!), e assim caminha a humanidade... sabe o que tenho visto? O tremendo medo da concorrência que os docentes devem ter dos alunos, pq não é possível que não ensinem o necessário para a vida, já que terão milhares de novos "colegas" no mercado de trabalho... não se garantem não?

Ou será que isso tudo é pq a trilhardária Anhanguera Educacional, que possui ações na Bolsa de Valores (já fomos orientados lá dentro, inclusive, a investirmos em educação, ou seja, dar mais dinheiro para esta Universidade...) está pagando mal aos seus professores???

O MP e o MEC poderiam investigar mais a fundo, realmente, a qualidade do ensino ali, as "compras" de monografias, as que desaparecem e ninguém sente falta, atestados falsos de alunos, alguns que fazem a prova após os outros, em que simplesmente o pessoal da Coordenação imprime e entrega ao aluno, pedindo que escolha uma sala qualquer e faça sozinho a prova... ou seja, pode colar à vontade!!!

Podem investigar que tudo isto que está sendo exposto aqui é verdade. Quem só quer ter o diploma, pagando bem caro por isto, não tem coragem de expor, pq ignoram a educação de qualidade que nosso país tanto precisa. E olha que nosso Brasil é uma ilha, cercada de Anhanguera por todos os lados...
 
Paulo Eduardo em 02/06/2011 12:22:58
Só mais uma coisinha: pra não se queimarem, apesar das denúncias que coloquei aqui (e muitas outras que, se mexer, vai sair muita m... ainda), obviamente colocarão a culpa nos alunos... NUNCA eles assumirão responsabilidade alguma por seus atos! Mas deixe de pagar UM boleto sequer, pra ver se não sabem exatamente o que fazer...
 
Paulo Eduardo em 02/06/2011 01:00:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions