A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

12/07/2011 12:39

MMX nega acusações e diz não ter relação com carvoaria denunciada

Vanda Escalante
Alguns funcionários moram num forno, como se fosse alojamento.Alguns funcionários moram num forno, como se fosse alojamento.

Em nota divulgada nesta terça-feira (12), a empresa MMX Metálicos Corumbá Ltda. rebate as denúncias feitas pelo MPT (Ministério Público do Trabalho – Procuradoria Regional de Mato Grosso do Sul) e noticiadas ontem por diversos órgãos de imprensa.

As denúncias se referem a uma carvoaria em Porto Murtinho, vistoriada no final de junho, onde foram encontrados trabalhadores em situação degradante, sem higiene e consumindo água contaminada.

Na Fazenda Dannemann, também conhecida como Fazenda Maracujá, alguns funcionários moram num forno, como se fosse alojamento, uma das piores situações encontradas durante a visita técnica.

Ao todo foram encontrados 17 trabalhadores há meses sem registro na carteira de trabalho, sem equipamentos de proteção individual, morando em alojamentos precários e a caixa d’água disponível no local estava vazia e suja, informa o MPT.

A carvoaria é apontada como fornecedora da MMX, que teria firmado acordo com o MPT em 2008 para sanar as irregularidades.

Na nota, a MMX reconhece a existência de um TCC (Termo de Compromisso de Conduta) que “estabelecia obrigações da companhia para com seus empregados próprios e para com os empregados de seus então fornecedores de carvão vegetal”.

No entanto, a empresa alega que “não opera mais no segmento siderúrgico desde o final de 2008, deixando de consumir carvão vegetal há três anos, tornaram-se inaplicáveis as obrigações do citado Termo de Compromisso”.

Como a fiscalização teria ocorrido três anos depois de a MMX ter encerrado suas atividades siderúrgicas e, conseqüentemente, ter deixado de adquirir carvão vegetal como insumo, o argumento é de que a empresa “não pode ser responsabilizada pelas atuais condições de trabalho pretensamente encontradas em carvoaria que nunca foi sua fornecedora e que não entrega seu produto para esta companhia”, diz trecho da nota, que termina com a afirmação de que a MMX cumpre a legislação e respeita os direitos dos trabalhadores.

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions