A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

10/10/2011 15:20

MPF vê degradação da saúde indígena e exige saber aonde foram aplicados R$ 1,8 miilhão

Paula Vitorino

Vistoria constatou que unidades de saúde não tem minímas condições de atendimento e agora MPF quer saber onde Prefeitura de Dourados investiu recurso

Lixo químico foi encontrado em banheiros sujos. (Foto: MPF)Lixo químico foi encontrado em banheiros sujos. (Foto: MPF)
Teto mofado, lixo acumulado, fios elétricos e cozinha em degradação foram flagrados pela fiscalização. Teto mofado, lixo acumulado, fios elétricos e cozinha em degradação foram flagrados pela fiscalização.

A Prefeitura de Dourados terá de esclarecer ao MPF (Ministério Público Federal) aonde foram investidos o montante de R$ 1,8 milhão repassados pela União ao longo de, pelo menos, três anos – 2009, 2010 e 2011.

O recurso é destinado ao apoio à saúde indígena, mas vistoria do MPF entre os meses de setembro e outubro constatou que os quatro postos de saúde das aldeias Bororó e Jaguapiru, em Dourados, estão em situação degradante.

Diversos problemas, tanto na parte de estrutura quanto de manutenção, foram encontrados nas unidades Zelik Trajber, Ireno Isnardi (Aldeia Bororó) e Guateca, Jaguapiru II (Aldeia Jaguapiru).

Três dos postos foram construídos abaixo do nível da rua e em terrenos com caída para o fundo. Quando chove, a enxurrada invade os prédios e deixa muita lama.

Foi encontrado lixo hospitalar em banheiros, arquivos enferrujados, cadeiras rasgadas, portas sem maçanetas, janelas quebradas, salas de atendimento abarrotadas de caixas e com fios elétricos à mostra, teto mofado, portas fechadas com pedaços de madeira e até uma fossa destampada.

O órgão flagrou ainda que as unidades não tem, ao menos, um filtro de água para a equipe ou os pacientes atendidos, além de geladeira para acondicionamento de vacinas, de armários para guardar material de limpeza e estantes para os medicamentos em estoque.

Em dois dos postos vistoriados o funcionamento é somente até 10h30 diariamente. Um dos postos ainda foi interditado pela Vigilância Sanitária em maio, por falta de limpeza da caixa d'água.

A Prefeitura de Dourados tem 48 horas, a partir do recebimento do pedido de informações, para se manifestar. O Campo Grande News tentou ouvir autoridades da Prefeitura de Dourados, mas em razão do ponto facultativo, não obteve retorno às ligações.

Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...
Hospital Universitário de Dourados alerta para golpe do falso médico
Falso médico estaria agindo em nome do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) e nesta segunda-feira entrou em co...



MANDA PRA CADEIA que o RESTO DE RATO aprende ou morre de FOME!
 
joel silva em 14/10/2011 09:06:14
Perguntem para a FUNASA aonde foi parar este dinheiro. Que engenheiro assinou uma obra dessas?
 
José Aparecido Rocha em 10/10/2011 11:40:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions