A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

26/09/2014 15:40

MPF recomenda e UFGD suspende vestibular para pedagogia em aldeia de Japorã

Helio de Freitas, de Dourados

Por recomendação do MPF (Ministério Público Federal), a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) suspendeu o processo seletivo para o curso de licenciatura em pedagogia, oferecido na modalidade à distância na aldeia Porto Lindo, no município de Japorã. O vestibular seria realizado neste domingo, mas as provas foram adiadas por 60 dias para correção do edital.

Veja Mais
Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia
Condutor perde controle de caminhonete, derruba poste e foge

Conforme a assessoria do MPF, ao instituir o programa a UFGD teria garantido à comunidade a destinação de pelo menos 50% de vagas específicas aos índios guarani-kaiowá da aldeia, além da previsão de um processo seletivo diferenciado e a incorporação de metodologia própria de ensino. No entanto, além de não prever reserva de vagas especificamente para indígenas, a comunidade não foi consultada sobre a estruturação do curso, segundo o MPF.

O Ministério Público Federal afirma que a Convenção n° 169 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) determina medidas para garantir aos índios o acesso à educação em todos os níveis e em condições de igualdade aos demais cidadãos brasileiros. Determina ainda que programas e serviços educacionais concebidos para os povos indígenas interessados deverão ser desenvolvidos e implementados em cooperação com eles, para satisfazer suas necessidades especiais e incorporar sua história, conhecimentos, técnicas e sistemas de valores.

“A legislação brasileira reconhece, ainda, que os índios têm direito a serviços educacionais diferenciados, adaptados às necessidades sociais, econômicas e culturais de cada grupo, como forma de reafirmação de suas identidades étnicas. As adaptações são necessárias para dar efetividade à lei. Do modo como o edital está estruturado, a comunidade que sofrerá os impactos com a criação do curso poderá não usufruir de qualquer benefício em contrapartida”, afirma nota divulgada pela assessoria do MPF.

Além de readequar o percentual de vagas destinadas aos índios, o novo edital deve contemplar proposta curricular compatível às particularidades étnico-culturais dos guarani-kaiowá.

Em nota encaminhada através da assessoria de comunicação ao Campo Grande News, a UFGD informou que todas as recomendações do MPF serão acatadas e vai fazer as alterações necessárias no processo seletivo.

Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia
Sofia de Almeida Flores, de 11 meses de vida, morreu na madrugada de hoje (5) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, após ficar ferida em acidente oc...
Homem de 33 anos é morto com golpes de facão e foice em fazenda invadida
Um homem de 33 anos foi morto a golpes de facão e de foice durante uma briga envolvendo índios na fazenda Novilho, município de Caarapó, a 283 km de ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions