A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

20/09/2011 09:34

Mulher é presa por aplicar golpe da rifa solidária em três municípios

Paula Vitorino

Golpista dizia ter filho com leucemia e precisava de dinheiro para pagar tratamento particular

Uma mulher de 42 anos foi presa na tarde desta segunda-feira (19) após aplicar golpes em Juti, Caarapó e Dourados. Solange é acusada pela Polícia Militar de vender rifas falsas com o apelo de custear o tratamento de leucemia do um filho.

No entanto, ela não tem nenhum filho com câncer e, de acordo com a PM, aplicava o golpe com freqüência para conseguir dinheiro. Cada rifa era vendida por R$ 10 e o suposto prêmio seria uma novilha de dois anos.

Ao menos 64 pessoas já tinham caído no golpe, somente em Juti. Ela disse que já havia gastado todo o dinheiro.

O golpe só foi descoberto quando Solange contou a falsa história para uma fiscal de saúde, sem saber da profissão da vítima. A golpista dizia aos compradores que já tinha procurado ajuda do serviço público de saúde, mas não tinha conseguido atendimento e por isso precisava vender as rifas.

A fiscal de saúde ficou comovida com a história e procurou o secretário de saúde, que foi atrás do suposto endereço da golpista para oferecer ajudar. No entanto, a casa da mulher não foi encontrada e o golpe foi denunciado para a Polícia.

Solange foi presa nas imediações da cidade de Juti, quando tentava aplicar mais golpes. Ela é natural de Campina Vede/MG, mas mora em Dourados/MS e já passou por diversos municípios de Mato Grosso do Sul.

Durante o flagrante, ela ainda tentou dizer que o dinheiro era para o tratamento de um filho com dependência química, mas segundo a PM, depois confessou que a pratica do golpe era para seus próprios gastos. O filho dependente químico está internado em Campo Grande e recebe tratamento gratuito, segundo os policiais.

A golpista tem passagens por vias de fato, discriminação e envolvimento com tráfico de drogas, sendo cada autuação em município diferente. Ela foi encaminhada para a Cadeia Pública de Caarapó.

Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...
Hospital Universitário de Dourados alerta para golpe do falso médico
Falso médico estaria agindo em nome do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) e nesta segunda-feira entrou em co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions