A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

01/10/2013 09:33

Operação prende 5 empresários por suspeita de lavagem de dinheiro

Aline dos Santos
Operação do Gaeco, Receita e MPE apreendeu dinheiro e até arma de fogo (Foto:Divulgação) Operação do Gaeco, Receita e MPE apreendeu dinheiro e até arma de fogo (Foto:Divulgação)

A operação Ablutio, realizada nesta terça-feira pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e Receita Federal, prendeu cinco empresários de Ivinhema por suspeita de lavagem de dinheiro. Contra o grupo, também há denúncias de crimes de falsidade ideológica e formação de quadrilha. Conforme o MPE (Ministério Público Estadual), os empresários estão envolvidos em diversas transações imobiliárias suspeitas.

Veja Mais
Com 5 mandados de prisão, operação Ablutio combate lavagem de dinheiro
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto

Foram presos de forma temporária Alessandro Pieretti de Oliveira, Christian Carlo Zanutto, Sami Marouf Abdel Jalil, Valdenei Gyorfi dos Santos e Rubens Alves dos Santos. Alessandro é parente do ex-prefeito de Ivinhema, Renato Pieretti Câmara (PMDB). Ele já ocupou posto de de fiscal estadual agropecuário, do qual foi exonerado, a pedido, em 6 de novembro de 2012.

Os presos são ligados a três empresas: Vale Incorporadora, Minervale e Agrovale. Responsável pelo residencial Solar do Vale, a Vale Incorporadora informa em sua página na internet que é formada por “por grandes empresários, teve o início da sua história no ano de 2010 em Ivinhema”.

As outras duas empresas são do setor agrícola. Os auditores fiscais averiguam a ocorrência de não cumprimento de obrigações tributárias referentes ao ganho de capital em operações de compra e venda de imóveis urbanos

Além das prisões, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e bloqueio de diversos imóveis pertencentes à incorporadora. As ordens são do juiz Alexandre Antunes da Silva, de Campo Grande. Durante as investigações de quatro meses, surgiram indícios de fraudes fiscais.

Participam da ação dois promotores, 21 policiais militares e nove auditores fiscais da Receita Federal. Ablutio, nome dado à operação policial, é termo em latim que significa lavagem.

Com 5 mandados de prisão, operação Ablutio combate lavagem de dinheiro
A operação Ablutio, deflagrada nesta terça-feira pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e Receita Federal, combate cri...
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Justiça bloqueia bens de ex-prefeito e mais oito por fraude em licitação
A Justiça Federal bloqueou R$ 1.743.189,84 em bens de Edvaldo Alves de Queiroz, o Tupete, ex-prefeito de Água Clara, a 198 quilômetros de Campo Grand...



porque o gaeco não pega lavagem de dinheiro do pcc e cv hum esse é perigoso né.
 
MARCIO DA SILVA em 01/10/2013 13:07:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions