A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

01/10/2012 17:37

Pecuaristas aguardam PF para retomar fazendas ocupadas por índios

Determinação de reintegração de posse é válida para 11 propriedades rurais

Nadyenka Castro
Fazendeiros e advogados em reunião nesta segunda-feira. (Foto: Pedro Peralta)Fazendeiros e advogados em reunião nesta segunda-feira. (Foto: Pedro Peralta)

Pecuaristas que tiveram fazendas invadidas há 180 dias por kadiwéus aguardam a PF (Polícia Federal) para que seja cumprida determinação de reintegração de posse.

Veja Mais
Vence hoje prazo para kadiwéus desocuparem 11 fazendas
Funcionários de hospital bloqueiam rodovia por atraso em salário

De acordo com o advogado Carlos Fernando de Souza, já foram designados oficiais de Justiça e agora falta posicionamento da PF sobre disponibilidade de efetivo para cumprir a ordem judicial. Conforme o advogado, cinco caciques kadiwéus já teriam concordado com a desocupação. 

A ordem de reintegração de posse é da juíza Raquel Domingues do Amaral. Ela determinou multa diária de R$ 100 mil para a Funai (Fundação Nacional do Índio), União e kadiwéus em caso de descumprimento.

A determinação é válida para as fazendas Terra Preta, Vila Real, Limoeiro, Ressaco, Capim Gordura, Nova Um, Esteio, Santa Márcia I e II, Baía da Bugra e Duas Irmãs.

As primeiras decisões de reintegração de posse saíram em 11 de setembro, com prazo de 30 dias para desocupação. Porém, os fazendeiros recorreram e no último dia 27 o prazo foi alterado para cinco dias. A magistrada determinou que a PF acompanhe a desocupação.

A invasão de 23 fazendas no Pantanal, denominada pelos índios como retomada, foi deflagrada em maio após o STF (Supremo Tribunal Federal) considerar nulos os títulos de terra localizados em área indígena no sul da Bahia. Conforme os fazendeiros, os kadiwéus estavam armados, tiveram apoio da Funai e expulsaram os funcionários. “A Funai colocou todos os meios materiais para que a invasão acontecesse” relatou o pecuarista Roberto Coelho.

Segundo o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), os índios estão recuperando áreas invadidas pelos fazendeiros, que acabaram conseguindo título de posse da terra, apesar de ser área indígena. A demarcação da reserva foi em 1981.

Conforme o advogado Carlos Fernando, na reserva são seis aldeias com aproximadamente dois mil índios, sendo que cerca de 150 entraram nas propriedades rurais.

A história da terra dos kadiwéus remonta ao Segundo Reinado, quando o imperador Dom Pedro II doou a área como contrapartida pela participação dos indígenas na Guerra do Paraguai. Há 25 anos, tramita no Supremo uma ação em que produtores e índios disputam 160 mil hectares.

Vence hoje prazo para kadiwéus desocuparem 11 fazendas
A Justiça Federal deu prazo até hoje para que os índios kadiwéus desocupem 11 fazendas em Corumbá. De acordo com o advogado Carlos Souza, a juíza Raq...
Corpo de homem com marcas de tiros é encontrado boiando no rio Apa
O corpo de um homem ainda não identificado, foi encontrado boiando no rio Apa, por volta de 15h de ontem (16) em Bela Vista, distante 322 km de Campo...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions