A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

07/06/2013 18:40

PF ouve todos que tiveram contato com índio morto em confronto

Viviane Oliveira e Alny Mary Dias, de Sidrolândia
Polícia Federal está ouvindo as pessoas no hospital de Sidrolândia. (Foto: Cleber Gellio)Polícia Federal está ouvindo as pessoas no hospital de Sidrolândia. (Foto: Cleber Gellio)

A Polícia Federal vai ouvir todas as pessoas que tiveram contato no dia do confronto com o terena Oziel Gabriel, de 35 anos, morto durante reintegração de posse na aldeia Buriti na última quinta-feira (29), em Sidrolândia, distante 71 quilômetros de Campo Grande.

Veja Mais
PF intima funcionários do hospital para depoimento sobre morte de índio
Conhecida como 'Cidade do Peixe', Itaporã comemora 64 anos neste sábado

Um delegado com uma equipe de pelos seis policiais estão no Hospital Beneficente Dona Elmiria Silvério Barbosa, onde o terena morreu, ouvindo enfermeiros, médicos, funcionários em geral que estavam de plantão, além das pessoas que socorreram Oziel.

O funcionário da Pax Bom Jesus, Anderson Machado dos Santos, que fez a necropsia no corpo do terena, também será ouvido ainda hoje no hospital. “Eles passaram na Pax e pediram para o gerente e eu virmos para o hospital”, diz.

As oitivas não têm hora para terminar. A todo o momento funcionários chegam ao hospital para prestar esclarecimentos. Além disso, a Polícia tenta localizar o avicultor Rodrigo Cunico, de 29 anos, que deu carona para o indígena até o hospital. 

Oziel foi ferido por tiros durante conflito entre policiais e indígenas. Foram feitas duas autópsias no corpo dele, sendo a segunda por peritos de Brasília.

No local do conflito foram encontrados projéteis de calibre ponto 40, ponto 45 e 9mm, que são de uso policial. A fazenda Buriti está ocupada pelos indígenas desde o dia 15 de maio. Os terenas continuam no local. A Força Nacional de Segurança Pública começou a atuar hoje na região.




que perda de tempo, meu Deus. o cara estava num confronto, bala pra todo lado, e vcs acham que alguém vai falar, eu mirei no índio e atirei. Isso é perder tempo com nosso dinheiro. vamos resolver logo esse confronto que esta apenas começando.
porque a PF não faz um cerco (cerco e forma de circulo pra nenhum fugir) gigantesto na aldeia deles, e vasculha armas? com certeza encherão um caminhão.
a justiça deu sinal verde pros fazendeiros resistirem a invasões. Vcs vao ver o que é morrer gente agora.
 
luciano marques em 07/06/2013 22:59:27
Será que o corporativismo vai deixar sabermos a verdade? A investigação não deveria começar na própria casa e com a pericia nas armas dos agentes? Tomara que a verdade venha a tona, afinal foi o ministro da justiça e a presidente que determinou a apuração e que responsáveis pela morte de um inocente, sejam presos e pague pelo homicídio..
 
samuel gomes-campo grande em 07/06/2013 21:57:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions