A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

12/11/2014 16:48

Polícia pede prisão de suspeito de matar líder indígena com 35 facadas

Helio de Freitas, de Dourados
A líder kaiowá Marinalva Manoel foi assassinada com 35 facadas no dia 1º deste mês e único suspeito é o companheiro dela (Foto: Reprodução)A líder kaiowá Marinalva Manoel foi assassinada com 35 facadas no dia 1º deste mês e único suspeito é o companheiro dela (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil pediu à Justiça a prisão de um homem com quem a líder indígena kaiowá Marinalva Manoel, 27 anos, tinha um relacionamento e estava morando com ele até ser assassinada com 35 golpes de faca em Dourados, a 233 km de Campo Grande. Entretanto, a prisão ainda não foi decretada.

Veja Mais
Sob pressão da ONU, Polícia Civil investiga assassinato de líder indígena
Mulher é encontrada morta a facadas e com sinais de violência sexual

O homem, cuja identidade não foi divulgada, é suspeito de ter matado Marinalva. O corpo foi encontrado na manhã o dia 1º deste mês, na beira da BR-163. Ele está desaparecido. A morte de Marinalva provocou reação da ONU (Organização das Nações Unidas), que pediu celeridade nas investigações.

O delegado Edmar Batistela, da 2ª Delegacia de Polícia de Dourados, informou que ouviu o depoimento de sete pessoas entre familiares, conhecidos que tiveram contato com Marinalva nos dias anteriores ao crime e um funcionário da Funai (Fundação Nacional do Índio).

Ao Campo Grande News, o policial disse que o homem é o único suspeito do crime. Marinalva morava no acampamento indígena “Nhu Porã”, próximo à MS-156, e lutava pela demarcação da área, localizada entre os bairros Jardim Guaicurus e Parque das Nações, no perímetro urbano da cidade. Entretanto, dias antes de ser morta ela teria deixado o acampamento para viver com o companheiro em outro local.

Batistela considera esclarecido o assassinato da líder indígena e afirma não existir indícios de que ela tenha sido morta por causa de seu envolvimento na luta pela demarcação das terras. Para ele, o motivo foi passional. “Só aguardo o laudos e a prisão do suspeito para concluir o inquérito”, afirmou. Os laudos vão ajudar a polícia a saber se Marinalva foi morta no local onde o corpo foi encontrado e se ela sofreu violência sexual.

O grupo de índios ao qual Marinalva fazia parte mora em um acampamento localizado numa área reivindicada pelos índios, cujos estudos antropológicos iniciais apontaram como terra indígena. Entretanto, o local pertence a uma empresa de paisagismo e parte está sendo loteada.

Recentemente o MPF (Ministério Público Federal) alertou às pessoas que estão comprando terrenos no loteamento “João Carneiro Alves” sobre a eventual demarcação.

“Toda a área está passando por levantamento antropológico pelo Grupo Técnico Dourados-Amambaipeguá, que já identificou elementos comprobatórios de ocupação tradicional por indígenas guarani-kaiowá”, afirmou o MPF.

Duas semanas antes de ser assassinada, Marinalva participou de protesto de índios de Mato Grosso do Sul em Brasília, contra decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que barra a demarcação de uma área em Caarapó e poderia gerar uma reação em cadeia em todo o país. Por três votos a um, a 2ª Turma do Supremo decidiu que os índios não teriam mais direito pela terra porque não estavam no local antes de 1988, quando a Constituição foi promulgada.

Na semana passada, a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, pediu “rigor” e “celeridade” na investigação sobre o assassinato de Marinalva Manoel.

“O assassinato de Marinalva Manoel nos acomete de extremo pesar pela violência e pela truculência com que sua vida foi ceifada. Frente ao perfil e às ameaças recebidas pela vítima, são evidentes os elementos de feminicídio, assassinato de mulheres por razão de gênero”, afirmou Nadine Gasman em nota oficial.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions