A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

14/02/2014 17:33

Porto Esperança será inspecionado após impasse entre ribeirinhos e agropecuária

Bruno Chaves
MPF pede a retirada das cercas do território de comunidade local (Foto: Divulgação/MPF/MS)MPF pede a retirada das cercas do território de comunidade local (Foto: Divulgação/MPF/MS)

Após impasse entre ribeirinhos e a empresa ABBS Agropecuária, o Porto Esperança, que fica em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, passará por inspeção judicial. Nesta quinta-feira (13), a Justiça Federal tentou conciliação entre as partes, mas não obteve sucesso. Com isso, na próxima segunda-feira (17), o local será inspecionado.

Conforme a assessoria do MPF/MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul), na conciliação, a ABBS sugeriu a transferência dos moradores do local “para um lugar melhor”. No entanto, os ribeirinhos rechaçaram a proposta.

“Trata-se de uma comunidade tradicional, com vínculo com a terra e cuja ocupação é centenária. Retirá-los de Porto Esperança representa extinguir uma comunidade tradicional pantaneira”, argumentou o MPF.

Marcada para ter início às 7h da próxima segunda-feira, “a diligência é de suma importância para melhor verificação dos fatos que deverão ser objeto da decisão judicial”, entende o MPF.

Origem do conflito – Iniciado no ano passado, o conflito na região de Porto Esperança começou com a instalação da ABBS Agropecuária no território da comunidade tradicional.

Alegando posse das terras, a empresa começou a colocar cercas aos redores das casas e ignorar plantações, além de forçar a demarcação da área por meio de seguranças armados, que passaram a intimidar os moradores a não denunciar o caso.

Conforme o MPF, confinados às pequenas terras que ocupam, os ribeirinhos foram impedidos de acessar as áreas de convivência e de chegar à estrada que liga a comunidade à BR-262.

Um representante da agropecuária até disse aos ribeirinhos que a área teria sido concedida a eles pela Secretaria de Patrimônio da União. Mas o MPF apurou indícios de que toda a área em que a empresa se instalou é de posse da União e utilizada há “séculos” pela comunidade.

A ação cautelar para a retirada imediata das cercas foi ajuizada no final de 2013, pelo MPF, após mal estar entre as duas partes. Mesmo reconhecendo que a terra é da União, a Justiça entendeu que uma conciliação seria melhor. O MPF recorreu da decisão.

O Ministério Público Federal ainda pediu uma investigação na esfera criminal. Para o órgão, “há denúncias de violência física e psicológica; relatos da convocação de policiais civis para prestar serviços de segurança no local e intimidar os moradores; além da clara intenção de tomar posse de terreno público”.

Os fatos denunciados, ainda conforme o MPF, configurariam os crimes de genocídio, formação de milícia armada e invasão de terra pública.

Jovem é preso em flagrante depois de ter incendiado a casa da mãe
Jovem de 19 anos foi preso depois de ter incendiado a casa da própria mãe, 43, esta tarde (21) no Jardim Brasilândia em Dourados, cidade a 233 quilôm...
Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...
Quadrilha é presa acusada de roubo a joalheria; funcionária é suspeita
Uma quadrilha formada por 10 pessoas foi desarticulada pela Polícia Civil de Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, após investigações de roubo a ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions