A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

13/09/2014 10:14

Prefeitura processa ex-prefeito por deixar divida de R$1,1 milhão

Michel Faustino
Procurador diz que crime de improbidade é passível de várias sansões. (Foto:Divulgação)Procurador diz que crime de improbidade é passível de várias sansões. (Foto:Divulgação)

O Procurador Jurídico do município de Ribas do Rio Pardo, Bruno Taveira, ingressou com ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito do município, Roberson Moureira por deixar uma dívida de aproximadamente R$ 1,1 milhão.

Veja Mais
Três cidades de MS estão entre as dez do país onde mais choveu ontem
Colisão frontal com carreta parte carro ao meio e mata condutor na BR-163

O objetivo é conseguir o ressarcimento de pelo menos R$ 641 mil para o município, valor relativo a juros moratórios e multa, sobre o valor real não pago pela prefeitura à União, no período de 2010 a 2012. O valor venal desta dívida deixada pelo ex-prefeito é de pouco mais de R$ 1,1 milhão.

O procurador Jurídico relatou na ação que “...tal omissão não se mostra como simples descuido do gestor municipal, vez que a omissão no recolhimento durou três anos integrais (de janeiro a dezembro).

A falta do pagamento “desencadeou na lavratura do Auto de Infração nº. 0140100.2013.00578 pelo Ministério da Fazenda e posterior processo administrativo para cobrança do acúmulo de dívida tributária do Município de Ribas do Rio Pardo para com a União Federal.”

Segundo o procurador é previsto em lei a recomposição do erário quando houver ação ou omissão, tanto na forma dolosa quanto culposa.” Consta no artigo 5° que “ocorrendo lesão ao patrimônio público por ação ou omissão, dolosa ou culposa, do agente ou de terceiro, dar-se-á o integral ressarcimento do dano”, disse.

Penalidades – Conforme Bruno Taveira a Lei de Improbidade Administrativa, no seu artigo 12, fala das sanções previstas para este tipo de falha do gestor público.

Além do ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions