A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

20/03/2014 09:35

Produtor faz estudo paralelo e Funai cria novo grupo para avaliar Buriti

Aline dos Santos

Um dos pontos de maior divergência entre fazendeiros e o governo federal, a avaliação das benfeitorias das fazendas na região denominada de Terra Indígena Buriti, nos municípios de Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia, é refeita em levantamento paralelo dos produtores e também por nova comissão da Funai (Fundação Nacional do Índio).

Veja Mais
Solução definitiva para conflito em Sidrolândia fica para o mês de junho
Governador se reúne hoje com produtores para rediscutir indenização da Buriti

Portaria publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União constitui grupo técnico para “continuidade do levantamento e avaliações de benfeitorias em ocupações não indígenas situadas na Terra Indígena Buriti”.

Segundo a publicação, assinada pela presidente interina da Funai, Maria Augusta Assirati, o prazo, a contar de 31 de março, é de 18 dias para execução do levantamento de campo, apresentação do relatório fundiário e do material técnico da avaliação das benfeitorias. O grupo será formado por três servidores, sendo um engenheiro agrônomo e dois técnicos em agricultura e pecuária.

Para o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, a continuidade do levantamento é um gesto do governo federal. “Para não fechar as portas”, analisa.

Contrariados com a avaliação das fazendas, os proprietários realizam um estudo paralelo para fazer contraproposta à União. No levantamento, serão avaliados itens como infraestrutura, topografia, fertilidade do solo.

A compra da área, cenário da reintegração de posse que resultou na morte do índio terena Oziel Gabriel, é discutida desde junho do ano passado, quando uma comitiva do governo federal, capitaneada pelo ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, veio a Campo Grande.

Em janeiro deste ano, o Ministério da Justiça fez oferta de 78,6 milhões por 26 fazendas. Inicialmente, a expectativa era de que a indenização fosse, no mínimo, de R$ 150 milhões pelos 15 mil hectares.

“Mas estou otimista. O governo está trabalhando. Os produtores com paciência e entendendo. Acho que nos próximos 70 dias fecha o negócio”, afirma o presidente da Acrissul.




Não foi a tôa que os fazendeiros foram a Brasilia pedir ao governo uma solução a favor deles. O que esta se fazendo, em conlui com a presidente da FUNAI, é uma REAVALIAÇÃO por outros "técnicos indicados" por terceiros, cuja missão sera a de maquiar a avaliação real e cujo valor sera de agrado aos latifundiários, o valor superfaturado, coisas de homem branco. Mas a comunidade indigena esta tranquila e só observa o desenrolar do caso, ja que de fato a terra foi devolvida aos donos mas que custou a vida de um guerreiro querido. VOCES QUE SÃO BRANCOS, QUE SE ENTENDAM! PAZ NO CAMPO, DEMARCAÇÃO JÀ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Samuel Gomes em 20/03/2014 11:24:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions