A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

19/01/2015 15:54

Proposta de construção de mais uma Unei causa polêmica e revolta empresários

Helio de Freitas, de Dourados

A proposta de construção uma nova Unei (Unidade Educacional de Internação), dessa vez na saída para Caarapó, próximo à Embrapa, causa polêmica desde o final do ano passado em Dourados, a 233 km de Campo Grande. O projeto da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública já estaria em andamento e unidade deve ser construída em terreno a ser doado pela prefeitura.

Veja Mais
Sete pessoas morreram em quatro acidentes ontem em rodovias de MS
Três cidades de MS estão entre as dez do país onde mais choveu ontem

Entretanto, setores da sociedade afirmam que já existem duas Uneis em Dourados – uma masculina e outra feminina – e a nova unidade só iria trazer transtornos, pois serviria para abrigar menores infratores de outras cidades da região.

Em dezembro passado, o projeto encaminhado pela prefeitura para doar a área ao Estado chegou a entrar na pauta da sessão da Câmara, mas foi retirado após pressão inclusive dos funcionários das Uneis já existentes na cidade, que lotaram a sede do Legislativo para protestar contra a nova unidade.

Nesta segunda-feira, 19, o presidente da Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados) Antonio Nogueira se manifestou contra o projeto. “Não concordamos com a instalação de mais uma Unei em Dourados. Mato Grosso do Sul tem 68 municípios e esta unidade poderia ser construída em outro local”, afirmou. O dirigente afirmou ter recebido recentemente do prefeito Murilo Zauith (PSB) a confirmação de que a construção será feita após a doação ser aprovada pela Câmara.

De acordo com a assessoria de Antonio Nogueira, em 2012 o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) recomendou a construção de mais quatro Uneis em MS, mas nenhuma delas em Dourados. Segundo relatório do conselho, as novas unidades deveriam ser construídas em Coxim, Paranaíba, Naviraí e Nova Andradina, que poderiam atender suas respectivas regiões.

Conforme a assessoria da Aced, a presidente do Sindicato dos Servidores da Administração de Mato Grosso do Sul, Lílian Fernandes, disse que a entidade discorda da construção de novas unidades, caso o governo do Estado não invista na contratação de mais servidores através de concurso público. “Hoje falta efetivo e é preciso investir na valorização deste servidor”.

Ela cita que Mato Grosso do Sul conta com pelo menos 300 servidores, divididos em 10 Uneis – uma média de 30 agentes por unidade. Estudo levantado pelo sindicato indica que este número precisaria ser quatro vezes maior para atender a rotina das unidades. “Se o governo não estiver disposto a investir em pessoal, a construção de mais uma unidade é completamente inviável neste momento”, afirmou a sindicalista.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions