A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

25/10/2016 08:02

Protesto contra proposta do governo Temer paralisa saúde indígena em MS

Profissionais que atendem comunidades e índios fazem manifestação hoje em Dourados contra fim da autonomia da Sesai

Helio de Freitas, de Dourados
Paralisação foi decidida ontem em Dourados (Foto: Divulgação)Paralisação foi decidida ontem em Dourados (Foto: Divulgação)

As comunidades indígenas de Mato Grosso do Sul ficarão sem atendimento de saúde nesta terça-feira (25) por causa do protesto de profissionais que atendem nas aldeias contra a proposta do governo federal de acabar com a autonomia da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena). O movimento tem apoio dos próprios índios.

Veja Mais
Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento

Em Dourados, a 233 km de Campo Grande, a paralisação foi decidida em reunião ontem à tarde. Na manhã de hoje haverá mobilização em frente ao polo de saúde do Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena).

De acordo com lideranças indígenas locais, a maior preocupação é a possibilidade de encerramento do contrato com a Missão Evangélica Caiuá, que recebe recursos do governo federal para atendimento de saúde nas comunidades.

“A mobilização ocorre em todo o Brasil. A saúde indígena está parada no país e em Mato Grosso do Sul. Estão querendo acabar com o convênio com a Missão e municipalizar a saúde indígena por interesses políticos”, afirmou ao Campo Grande News o presidente do conselho local de saúde indígena, Leoson Mariano Silva.

Portaria – O motivo dos protestos é a portaria 1.907, publicada no dia 17 deste mês pelo ministro da Saúde Ricardo Barros. Ao revogar a portaria 475, de 16 de março de 2011, o ministro retirou competências atribuídas ao Sesai, órgão ligado ao próprio Ministério da Saúde, no que se refere à gestão orçamentária e financeira relativa à política pública de atenção à saúde dos povos indígenas.

Outra medida criticada pelas comunidades indígenas foi o memorando do atual secretário da Sesai, Rodrigo Sergio Garcia Rodrigues, que impede os coordenadores dos DSEIs de praticar atos de gestão, como emitir notas e créditos de empenho, ordenar despesas e conceder suprimento de fundos e diárias.

“Com essa medida, o ministro da Saúde burocratiza e inviabiliza as ações e serviços no âmbito dos DSEIs, pois a administração de todo o subsistema será centralizada em Brasília. Com isso, rompe-se com a perspectiva da autonomia administrativa e financeira dos distritos, impossibilita o controle social e a participação indígena no planejamento, elaboração e execução dos orçamentos dentro de um plano distrital”, afirmou o Cimi.

Na avaliação do Cimi, a portaria 1.907 é um “golpe aos direitos indígenas”, por ter sido “editada nas sombras”, sem ouvir e consultar os povos e organizações indígenas.

“Quando um governo age nas sombras, há sempre que se suspeitar sobre quais as reais finalidades de suas ações”, afirmou o conselho, ligado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions