A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

17/03/2014 14:38

Quatro anos depois, pistoleiro do "Barão da Maconha" é condenado por crime

Zana Zaidan

Jacinto Ramom Cristaldo Ramirez, conhecido como “Cabelo”, foi condenado a 14 anos de reclusão pelo assassinato do paraguaio Edison Patrício Nunez Sonorda, em outubro de 2010 em Coronel Sapucaia, a 400 quilômetros de Campo Grande. A Justiça aponta Cabelo como um dos pistoleiros do traficante Felipe Baron Escurra, o “Barão da Maconha”, além de ser acusado de praticar vários homicídios a mando do mesmo na região de fronteira do Brasil com o Paraguai.

Veja Mais
Com 115 processos, mutirão vai mobilizar 2.300 jurados e 43 juízes
Justiça de MS deve julgar até outubro crimes dolosos denunciados até 2009

O crime aconteceu no dia 23 de outubro de 2010, mas foi julgado hoje (17), quase quatro anos depois, no Tribunal do Júri de Amambai, durante mutirão que tem como meta julgar até 31 de outubro todos os crimes dolosos cujas denúncias tenham sido recebidas até 31 de dezembro de 2009.

Por volta do meio-dia, na linha internacional que divide as cidades de Coronel Sapucaia e Capitan Bado. Conforme a denúncia, o alvo era o brasileiro Paulo Sérgio Alarcon. Ele estava em um Corolla acompanhado de Edison Patrício, e Jacinto chegou de moto com um comparsa, ambos armados com pistolas 9 mm. Com os disparos, Paulo Sérgio morreu na hora, dentro do carro, ainda do lado paraguaio. Já Edison conseguiu fugir para o lado brasileiro, mas foi alcançado pelos pistoleiros, que o executaram com sete disparos, na avenida Flávio Derzi, em Coronel Sapucaia.

O promotor de Justiça Etéocles Dias Júnior, do Ministério Público de Mato Grosso do Sul moveu ação penal contra Jacinto por homicídio qualificado. Em plenário, os jurados acataram o teor da acusação e o condenaram Jacinto por homicídio qualificado por recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vitima (nas penas do artigo 121, § 2º, inciso IV, do Código Penal).

Já o homicídio de Paulo Sérgio é investigado pelas autoridades do Paraguai, pelo fato de o crime ter acontecido do outro lado da fronteira.

Prisão

Jacinto Ramon está preso desde o dia 16 de fevereiro de 2012, quando agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), com apoio da Polícia Militar, cumpriram mandado de prisão expedido pela Vara Criminal da Comarca de Ponta Porã em 12 de setembro de 2011.

A prisão foi efetuada na casa de Ramon, na rua Amador Flores Sobrinho, no bairro Vila Nova em Coronel Sapucaia. Tido como “de alta periculosidade”, no momento da abordagem ele portava uma pistola semi-automática 9 mm e dois carregadores com 26 munições do mesmo calibre. Foi apreendida, ainda, uma motocicleta Honda/Tornado 250cc, sem placa.

Ramon foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Coronel Sapucaia, juntamente com a pistola, as munições e a motocicleta apreendida, para ser lavrado o flagrante por porte ilegal de arma de fogo. A pistola foi periciada e confrontada nos homicídios onde foram utilizados arma desse mesmo calibre, ocorridos na região da fronteira do Brasil com o Paraguai.

Com 115 processos, mutirão vai mobilizar 2.300 jurados e 43 juízes
O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) fará mutirão para julgar 115 processos de crimes dolosos contra a vida, com denúncias recebidas a...
Idoso sofre sequestro relâmpago por supostos vendedores na fronteira
Idoso de 61 anos e brasileiro, sofreu um sequestro relâmpago na manhã deste domingo (4), enquanto descia do seu veículo para realizar compras no lado...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions